sexta-feira, 11 de setembro de 2020

Educação é um dos setores mais bem avaliados do governo nesses 600 dias. Saiba a razão

 A Educação é considerada um dos mais destacados setores do governo do estado nesses primeiros seiscentos dias, ou um ano e meio de gestão. A conclusão é de uma pesquisa encomendada pelo próprio governo e realizada em todo o estado.

O Secretário Mauro Sérgio Cruz, nessa entrevista, lista as razões dessa boa avaliação, com destaque para o trabalho que não foi interrompido sequer perla pandemia.  

Secretário Mauro Sérgio Cruz

A TRIBUNA –  Esses 600 dias de governo acabam sendo marcados – e isso é inevitável, pela pandemia e seus efeitos. Como o senhor avalia a ação do governo do Acre e de sua secretaria nessa crise do COVID 19?

Mauro Sérgio Cruz – Mesmo com a pandemia, nosso governo fez muito. O nosso governador está de parabéns. E na área da educação, não ficou por menos. Desde o primeiro momento que ele me chamou e, a pedido dele, organizamos nossas equipes com a diretora de Ensino, a Denise Souza, montou o programa Escola em Casa, tornando o Acre o primeiro Estado da região Norte que realizou atividades à distância na pandemia. Nós temos um portal educacional hoje onde essas aulas estão disponibilizadas, as videoaulas e áudio aulas que permitiram não ser interrompido o ano letivo. Hoje, temos atendimento de 80% dos nossos alunos. Fizemos um mutirão, uma busca ativa em todo o estado, para trazer, resgatar aqueles 15%, 20% que ainda precisam ser conscientizados da importância de concluir o ano letivo deste ano, que não parou, que continua. E a gente deseja que todos os alunos que se matricularam na rede mantenham a oportunidade de ter conhecimento, estudando. E a gente está ampliando tudo isso. Estamos trazendo agora outras ferramentas importantes, o google Classrom. Estamos trazendo a possibilidade de ampliar o acesso dos nossos alunos no portal através de internet gratuita. Também fizemos a distribuição de sacolões. Foram 40 mil sacolões que a secretaria distribuiu a pedido do Comitê Covid. Foi uma decisão de governo juntamente com outras secretarias. Assistência Social, secretaria de Planejamento, da Saúde e nós, da Educação, fizemos a distribuição.

Nos meses de julho, agosto, nós compramos aproximadamente mais de um milhão de itens relacionados com a agricultura familiar. Montamos aproximadamente 10 mil kits, cestas básicas da agricultura familiar para entregar para os alunos do ensino médio.

Adquirimos itens importantes para o reinício do ano letivo. A gente não sabe quando essa pandemia vai acabar. Mas aconteceu todo um investimento, 110 ônibus que a secretaria e o governador do Acre entregaram para os municípios e para as unidades de ensino no interior. Compramos também 14 mil chromebooks que são laboratórios móveis que vão atender todas as escolas da rede. Queremos ampliar outro tipo de investimento na área da ciência, com laboratórios móveis. O senador Márcio Bittar destinou uma emenda de R$ 4 milhões e a gente investiu na aquisição de laboratórios móveis de ciência, química, física e biologia, que também mandaremos para as escolas. 67 escolas serão atendidas com esses kits. Compramos e atualizamos todo o parque de TI das escolas, da área de gestão, administrativa das escolas. Foram dois mil  novos computadores de última geração encaminhados para as escolas, incluindo as rurais e indígenas. Sem falar do investimento na melhoria da infraestrutura das escolas. Só no ano passado foram aproximadamente 248 unidades e esse ano de janeiro até agora foram mais 138 escolas atendidas. A Secretaria de Educação, por meio de processo de licitação está adquirindo itens necessários para a segurança dos alunos. Estamos comprando kits de álcool em gel, medidor de temperatura, máscara para todos os alunos, para que a gente possa garantir a segurança dos alunos no retorno do ano letivo.

Programas importantes que foram iniciados neste ano serão ampliados no ano que vem, como uniformes escolares para os estudantes. O Segundo Prato, uma ideia revolucionária do governador e que é uma realidade hoje. Nenhuma sai da escola e vai para casa com fome. Todo mundo bem alimentado. Uma escola digna para esse aluno estudar e para o professor trabalhar. Esta é uma gestão que visa levar essa visão humanista para nossas unidades escolares.

Nunca na história desse Estado a secretaria tinha adquirido livros didáticos específicos para a Eja. Antigamente, os alunos da Eja usavam os livros do Telecurso. Então eram livros didáticos antigos que os alunos do ensino médio estudavam. Agora eles têm livros didáticos específicos para a sua formação desde o Fundamental I, o Fundamental II e o Ensino médio. Acreditamos que o aluno da Eja será ainda mais valorizado, com a nova dinâmica, com a nova reorganização. No ano que vem teremos muitas novidades no campo de ensino, com escolas vocacionadas, com escolas militares organizadas, cursos profissionalizantes.

Outro grande avanço foi o dos colégios militares. Quando nós assumimos, eram três colégios e hoje nós temos sete escolas em municípios diferentes. Existe uma possibilidade aí de mais duas unidades federais.

Foram 40 mil sacolões que a secretaria distribuiu a pedido do Comitê Covid. Nos meses de julho, agosto, nós compramos aproximadamente mais de um milhão de itens relacionados com a agricultura familiar para os alunos do ensino médio.”

A TRIBUNA – O que está no planejamento da Secretaria para o próximo ano?

Mauro Sérgio Cruz – Vamos criar um colégio agrícola na Transacreana. Nós vamos trazer um outro colégio para alunos do Ensino que vai trabalhar com a base nacional curricular e ao mesmo tempo com a formação técnica profissional, sobretudo na área do agronegócio, da agricultura para que esses novos técnicos venham se inserir no mercado de trabalho. Nós vamos ter um colégio só voltado para o desenvolvimento de técnicos de TI, redes, logística, de alto padrão, de inovação e tecnologia. Vai ser uma escola aqui em Rio Branco. Vamos ter uma escola bilíngue. Poucas cidades têm escolas bilíngue e nós teremos uma escola do ensino médio bilíngue. Alunos voltados para o inglês, para o Espanhol, francês, para línguas estrangeiras, Libras. Vamos ter uma escola voltada para o desenvolvimento de potencial esportivo para os nossos jovens. Uma escola de desportos lá no São Francisco, perto da Berta Vieira. E vamos ter uma escola também de arte, de música. Serão escolas vocacionadas, além do novo ensino médio integral e das escolas militares, nós teremos essas escolas para que os jovens possam fazer as suas opções, potencializar as suas vocações.

Compramos e estamos distribuindo 110 ônibus para os municípios e para as unidades de ensino no interior. Compramos também 14 mil chromebooks que são laboratórios móveis que vão atender todas as escolas da rede. Estamos adquirindo  de laboratórios móveis de ciência, química, física e biologia, para as escolas. 67 escolas. Atualizamos todo o parque de TI das escolas, da área de gestão, administrativa das escolas. Foram dois mil  novos computadores”

A TRIBUNA – O Acre foi o primeiro estado a concluir 100% do Censo Escolar, o que o senhor tem a dizer sobre isso?

Mauro Sérgio Cruz – O Censo foi uma conquista que concluímos com êxito. Mas um dado preocupa. Nós tivemos um corte, uma perda de 5, 6 mil alunos. Estamos fazendo uma busca ativa para trazer esses jovens de novo para a escola. O que  nós queremos é que em outubro, na correção do censo, esses 5, 6 mil alunos voltem e a gente possa cadastrá-los. Não podemos perder ninguém de vista.

A TRIBUNA –  Em relação ao Fundeb ano que vem tem alguma coisa prevista para o Estado?

Mauro Sérgio Cruz – Está previsto. Nós já conversamos com o TCE de forma informal para fazer um estudo junto com lideranças da educação, com o Tribunal, com a PGE e apresentar uma proposta que venha a valorizar o professor. Uma política de valorização, até no cuidado com a saúde. Hoje, a nossa secretaria é uma das poucas secretarias que tem no Brasil que cuida do professor. Nós temos fisioterapeutas, psicólogos. Temos cuidado com o professor. Nós temos agora a jornada do autoconhecimento que estamos oferecendo para o professor. Fizemos parceria com o instituto Ayrton Senna para cuidar da saúde do professor. Hoje, nós temos professores que dão testemunho de vida maravilhosos. Eu encontrei professoras de moto, levando a atividade para os alunos. A moto cheia de lama. Com as atividades na mochila dela. Isso é um testemunho bonito demais. As professoras que eu encontrei ontem em Porto Acre, morando na escola. Dormindo na escola. Isso é testemunho de vida. Então os professores precisam primeiro de uma escola bem cuidada, de uma escola onde realmente eles possam desenvolver os seus trabalhos, com tecnologias novas, computadores, laboratórios de ciência, com laboratório de informática.

Mas também a gente precisa pensar na valorização salarial do professor. Já fizemos sete propostas. Estamos estudando essas sete propostas. Vamos apresentá-las no final do ano para a equipe de governo, para o TCE. É uma proposta que vai gradativamente  ampliando essa ajuda financeira para o professor. O Fundeb, até 2026, vai ter sempre um acréscimo. A gente fez uma proposta de 2021 até 2026, pensando nessa valorização do professor que está na sala de aula. Nós não podemos desenvolver um bom trabalho se a gente não tiver professor motivado na sala de aula. Nosso governador sabe disso e deu uma demonstração de coragem ao contratar novos professores.

fonte: a tribuna

Mesmo com a pandemia, Prêmio Gestão Escolar 2020 tem recorde de inscrições

Realizado desde 1998 pelo Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), já participaram, ao longo da trajetória do Prêmio Gestão Escolar, aproximadamente 34 mil escolas de todas as regiões do país

Em formato especial, a edição 2020 do Prêmio Gestão Escolar (PGE) recebeu inscrições de cerca de 8 mil escolas. São 5.212 instituições estaduais e 2.773 municipais, um recorde de inscritos, apesar da pandemia do coronavírus, que gerou a suspensão as aulas presenciais em todo o país.

A iniciativa vai reconhecer experiências que deram continuidade à aprendizagem dos estudantes durante o período da pandemia, valorizando as escolas que trabalham em equipe. A versão deste ano traz o tema “Como as escolas estão enfrentando o desafio do afastamento social para manter o vínculo entre os atores escolares?”.

Do total de 7.985 inscritos neste ano, 5.984 finalizaram o cadastro, preenchendo todos os requisitos de validação, e passaram para a próxima etapa de seleção, que vai escolher a Escola Referência Estadual. Na última edição, em 2017, foram 4.119 inscrições  validadas.


De acordo com a Organização dos Estados Ibero-Americanos (OEI), pela primeira vez o prêmio também vai contemplar, além do gestor, o professor e a equipe escolar. “A iniciativa representa o reconhecimento da união de esforços para superar os desafios que a situação atual impõe”, afirmou o diretor e chefe da representação da OEI no Brasil, Raphael Callou.

As escolas vencedoras da categoria Referência Estadual serão conhecidas no dia 1º de novembro. Das 27 selecionadas, cinco (uma por região) irão para a final no dia 10 de dezembro, quando será conhecida a Escola Referência Brasil.

Com 1.520 escolas públicas, o Acre conta com 47 unidades com as inscrições validadas, sendo 17 estaduais e 30 municipais. Vale lembrar que o Estado ganhou o Prêmio Gestão Escolar em 2015 com a Escola Nanzio Magalhães, de Feijó. A edição de 2015 teve ao todo 3.657 inscritos.

De acordo com a coordenadora estadual do prêmio, Nabiha Bestene, a próxima etapa do cronograma é a avaliação, junto ao comitê estadual, das escolas que concluíram as inscrições com êxito. “Na próxima semana, vamos apresentar aos avaliadores os relatos de experiência dessas escolas, bem como as devidas orientações para as correções, de acordo com as fichas elaboradas pela coordenação pedagógica do prêmio”, explicou.

O Prêmio Gestão Escolar é uma realização de Consed, Undime e OEI Brasil. Fundação Itaú para Educação e Cultura, e Unesco são patrocinadoras da iniciativa, que conta ainda com o apoio da Bett Educar, British Council, Fundação Roberto Marinho, Fundação Santillana, Instituto Natura, Ministério da Educação, Unicef e Univesp.

Com informações do Consed.

Governo vai pagar mais de R$ 520 mil da VDP 2018

Mais de meio milhão de reais será depositado na conta dos professores e técnicos administrativos da SEE neste mês; anúncio foi feito a sindicalistas nesta quinta-feira

O Governo do Estado do Acre confirmou nesta quinta-feira, 10, que o último montante do pagamento da Valorização pelo Desempenho Profissional (VDP) 2018 de servidores da Educação será realizado em folha suplementar após o pagamento de setembro.

Antes, a data estava agendada para outubro. No entanto, mesmo com as dificuldades financeiras que atravessa o Estado, sobretudo, por causa dos efeitos da pandemia de Covid-19, foi possível um rearranjo nas contas públicas que permitirá a liberação de pelo menos R$ 521 mil por meio de folha suplementar, ainda neste final de mês.


“Trata-se de um esforço enorme diante do cenário atual, mas é uma prova de que queremos encontrar um caminho para o bem-estar de nossos professores e dos nossos técnicos. Uma demonstração de que estamos abertos ao diálogo com os sindicatos e encontrando o melhor caminho”, comemorou o secretário de Educação, Cultura e Esportes, Mauro Sérgio Cruz.

Quanto aos valores da VDP de 2019, ficou acertado que a Secretaria de Estado de Educação, Cultura e Esportes (SEE) encaminhará ainda nesta semana o processo para análise de conformidade do prêmio à Secretaria de Planejamento e Gestão do Estado do Acre (Seplag), que em seguida reunirá com a Sefaz para alinhamento quanto à disponibilidade orçamentária e financeira, com fim de deliberar sobre a forma e data de pagamento.

Aos sindicalistas presentes na reunião, a equipe da SEE apresentou números que revelam um déficit substancial na principal receita da pasta, a do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica, o Fundeb, o que impossibilita, pelo menos neste momento, uma agenda de reajuste salarial para a categoria.

De janeiro a agosto deste ano, a SEE registrou um saldo negativo de R$ 60.952.304,51 no Fundeb. Para efeito de comparação, enquanto em agosto de 2019, o repasse chegou a mais de R$ 680 milhões, até agora, em 2020, ele não passou de mais de R$ 396 milhões.

Além disso, por conta do Decreto Governamental nº 5.823, de 22 de abril de 2020, que também estabeleceu parâmetros de gastos com recursos próprios durante a pandemia, a SEE passou a ter uma cota mensal de pouco mais de R$ 5 milhões por mês para a sua manutenção, um montante relativamente modesto diante da complexidade de funcionamento da pasta.

Para o vice-presidente do SinproAcre, Edileudo Rocha da Silva, é preciso reconhecer os esforços do governo do Estado na manutenção dos direitos dos trabalhadores na pandemia. “Servidores que mesmo estando afastados, receberam suas gratificações, que tiveram suas férias mantidas e com o salário caindo normalmente”, lembrou o sindicalista.

Participaram também da reunião, a presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação (Sinteac), Rosana Nascimento; o vice-presidente do Sindicato dos Professores da Rede Pública de Ensino (SinproAcre), Edileudo Rocha da Silva; além de Ricardo Brandão dos Santos, secretário de Planejamento e Gestão do Estado do Acre (Seplag), Lonmário Moraes de Valle, representante da Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz) e diretores da SEE.
“Mesmo com limitações financeiras vamos fazer um esforço para honrar as obrigações do Executivo”, diz secretário de Planejamento para servidores.

Da sua parte, Ricardo Brandão dos Santos, secretário de Planejamento e Gestão, expôs os desafios impostos ao governo do Estado na área das finanças, mas também o compromisso de garantir que todos os servidores recebam o que têm direito.

“Para se ter ideia, hoje 30% do Orçamento Geral do Estado vai para manter a folha de pagamento em dia. Mesmo assim, a pedido do governador Gladson Cameli, antecipamos o 13º salário e estamos, por exemplo, pagando as verbas rescisórias das pessoas, começando com os que recebiam até R$ 6 mil e agora com os que vão até 10 mil reais”, ressalta Brandão dos Santos.

O secretário confirma que o cenário atual das finanças do Estado não é dos melhores, principalmente porque o déficit atuarial é de R$ 16,5 bilhões, e o déficit financeiro previdenciário de 2020 é de R$ 660 milhões, com previsão de atingir os R$ 675 milhões no próximo ano.

“Por isso, é preciso que gente se irmane agora, com a vontade no coração de resolver pendências com consciência. E saibam que, mesmo trabalhando no vermelho, isso não quer dizer que não vamos honrá-los. Faremos todos os esforços para pagar todos os seus direitos”, pontuou o secretário de Planejamento e Gestão, referindo-se aos servidores públicos estaduais. (Ag. Acre)

Educação realiza semifinal dos Jogos Escolares Virtuais na próxima semana

A Secretaria de Estado de educação, Cultura e Esportes (SEE) por meio do Departamento de Esportes, realiza a fase semifinal II dos Jogos Escolares Virtuais nos dias 14 e 15, por meio de enquetes nos stories no perfil @departamento_de_esportes_acre, no Instagram. A escola que receber o maior número de votos será a campeã.

Os Jogos Escolares Virtuais envolveram 53 escolas distribuídas nas regionais do Alto Acre, Baixo Acre, Juruá e Tarauacá/Envira com mais de 60 disputas. A grande final será dia 18.

As escolas campeãs da fase regional foram premiadas com um kit esportivo no valor de R$ 700. Já as vice-campeãs ganharam um kit no valor de R$ 500.

Ao final das competições, na fase estadual, a escola que chegar ao 1º lugar ganhará um kit esportivo no valor de R$ 5 mil. O 2º lugar receberá um kit no valor de dois mil reais. 3º e 4º colocados mil reais em material esportivo, além da premiação com medalhas e troféu.

Material de Divulgação – Departamento de Esportes SEE

A competição da semifinal I será dia 14 entre as escolas São José e Craveiro Costa, ambas de Cruzeiro do Sul . A semifinal II ocorrerá dia 15 entre as escolas Colégio Acreano e Dom Pedro II de Rio Branco.

Segundo Junior Santiago, chefe do Departamento de Esportes da SEE, a realização dos Jogos Escolares Virtuais foi uma situação que precisou ser reinventada e foi uma explosão positiva. “Mais de 55 mil pessoas foram envolvidas votando dentro da nossa página do Instagram, e a competição fez com que o aluno resgatasse o amor pela escola, nesse momento que não dá para fazer nada presencialmente, tanto no ensino como no esporte”.

Outros jogos serão realizados de forma virtual como o xadrez online, que está com inscrições abertas para o campeonato até o dia 17. A competição começa dia 21. Logo em seguida vem o taekwondo virtual, depois a corrida digital. O Departamento de Esportes se planeja para a oferecer muitos outros jogos virtuais ainda esse ano para os estudantes.

A realização dos jogos virtuais durante o momento de pandemia foi uma forma que a equipe do esporte encontrou para mobilizar os estudantes acreanos e interagir com as escolas, fazendo com que os alunos sejam os protagonistas em todos os jogos. (Ag. Acre)

Estado apresenta projeto Maria da Penha vai à Escola para organismos executores

O governo do Acre, por meio do Gabinete da Primeira-Dama Ana Paula Cameli e da Secretaria de Estado de Assistência Social, dos Direitos Humanos e de Políticas para as Mulheres (SEASDHM), apresentou nesta quarta-feira, 9, às instituições parceiras dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, o projeto Maria da Penha vai à Escola, por meio de videoconferência.


Cartilha Maria da Penha vai à Escola Foto: Neto Lucena/Secom


Implementado em 2014 pelo Centro Judiciário da Mulher do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (CJM/TJDFT), o projeto tem o lema “Educar para prevenir e coibir a violência contra a mulher” e visa à expansão para outros estados.

No Acre, o projeto será estendido às aldeias indígenas, com a versão Maria da Penha vai às Aldeias. “Desconheço outro estado que tenha investido nessa parcela da sociedade, que é tão distanciada das políticas de proteção. Eu creio que a educação é a alavanca que vai mudar o mundo e permitir que a nossa sociedade seja mais justa”, completou o coordenador do Núcleo Judiciário da Mulher do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e um dos idealizadores do projeto, juiz Ben-Hur Viza.

Um dos pilares do projeto é a capacitação de professores e gestores, para a identificação de crianças e adolescentes que estão em situação de violência, além da formação dos profissionais da educação sobre a temática e apoio na implementação de projetos pedagógicos sobre o tema. A supervisora do projeto em Brasília, Andréa Soares de Oliveira, apresentou as diretrizes que foram utilizadas para a implementação nas escolas e para a capacitação dos professores, gestores e entidades que participaram da videoconferência.

“É muito importante que esse tema chegue às escolas, que são um espaço de fomento para discussões. É uma estratégia de divulgação e combate a todas as formas de violência contra a mulher”, salientou a titular da SEASDHM, Ana Paula Lima.

A próxima reunião do grupo de trabalho irá definir a metodologia que será aplicada e o quantitativo de escolas atingidas pelo projeto, que irá abranger as quatro regionais do Acre. “Sabemos que nosso que o Acre ocupa o primeiro lugar no ranking de feminicídio. Pensando nisso, aderimos ao projeto, pois a escola é um espaço privilegiado para ações direcionadas às prevenções primárias da situação de violência doméstica e familiar contra mulher”, finalizou a diretora de Políticas para as Mulheres da SEASDHM, Isnailda Gondim.

Participaram da reunião representantes da Vara de Proteção à Mulher de Rio Branco, Vara de Medidas e Penas Alternativas, Tribunal de Justiça do Acre, Tribunal de Justiça do Distrito Federal, Assembleia Legislativa do Estado do Acre, Ordem dos Advogados do Brasil, Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública, Patrulha Maria da Penha, Secretaria Nacional de Políticas para Mulheres, secretarias municipais de Assistência Social e Educação, representando municípios do Alto Acre, Baixo Acre, Juruá e Purus, Defensoria Pública do Acre, Polícia Civil e Conselho Tutelar. (agência/Acre)

ESCOLA SÃO JOSÉ EMITE COMUNICADO AOS PAIS DE ALUNOS

 



COMUNICADO AOS PAIS 

No mês de setembro teremos atividades avaliativas para os alunos do 1º ao 9º ano. 

Essas atividades serão impressas e entregues na escola nos turnos da manhã e tarde aos pais, nos seguintes horários: Manhã: 7h30 ás 11h 

Tarde: 13h30 às 17horas 

1º ao 5º ano 

- Dia 17/09/2020 - Entrega das atividades avaliativas aos pais; 

- Dia 21/09/2020 – Recebimento das atividades avaliativas na escola; 

6º ao 9ºano 

- Dia 17/09/2020 – Entrega das atividades avaliativas aos pais do 1º bimestre; 

- Dia 21/09/2020 – Recebimento das atividades avaliativas na escola do 1º bimestre e entrega das atividades avaliativas do 2º bimestre; 

Dia 24/09/2020 – Recebimento das atividades avaliativas do 2º bimestre. 

· Atenção: 

- A recuperação dos alunos será realizada na 1ª quinzena de outubro, com a exibição das videoaulas; 

- Os alunos que ficarem de recuperação serão avisados nos grupos de watsapp. 


ESTADO DO ACRE 
SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES 
ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL INSTITUTO SÃO JOSÉ 
Rua Benjamin Constant, 1.325 – Centro – Tel. (68) 3462-1348. E-mail:escolainstituto.sao@ac.gov.br
CEP 69.970-000 Tarauacá-Acre - Brasil

quinta-feira, 27 de agosto de 2020

Projeto Escola em Casa incentiva o ensino a distância

Dona Edna Yawanawá mora no município de Tarauacá. Com cinco filhos, ela mantém todos eles estudando e aprendendo. Ela e os filhos acompanham as aulas remotas que são oferecidas pelo governo do Estado, por meio da Secretaria de Educação, Cultura e Esportes (SEE).

Ela realiza o que chama de “revezamento de horário”. As aulas são acompanhadas principalmente pelo rádio, pela televisão e também pelo celular. Como criou uma rotina, também tem acesso aos materiais impressos disponibilizados pela escola.

“Para mim isso tem sido de grande alegria porque eu sinto que nós não fomos abandonados, o governador está sempre se preocupando com a gente, a gente sente essa preocupação e as escolas estão realmente presentes na vida dos alunos”, faz questão de dizer ao se referir às aulas remotas realizadas pela SEE.

Dona Edna em uma apresentação com uma das suas filhas Foto: Stalin Melo

Segundo a dona de casa, quando o desejo é ver os filhos formados não existem dificuldades. “Nossos problemas não são maiores do que o nosso desejo de ver os nossos filhos realizados, aprendendo a ler, aprendendo a escrever, então isso é um sacrifício que vale a pena”, enfatiza.

Além das aulas remotas, dona Edna também faz questão de agradecer o governador Gladson Cameli por disponibilizar o fardamento escolar para os alunos e o reforço da merenda escolar.

“O governador se preocupa até com a farda. Como estou desempregada, eu fiquei tão feliz, meu Deus, eu não vou ter que correr atrás de pedir farda, o governador vai dar a farda para as minhas crianças. Então, eu fiquei feliz porque é um gasto a menos”, disse  ela.


Quanto ao ensino a distância, diz que é uma prática, que cabe aos pais se interessar, nesse momento, pelo ensino dos seus filhos na medida em que o governo do Estado, por meio da SEE, das escolas e dos professores, faz a sua parte para garantir a educação de todos.

“Eu sei que não é fácil, muita gente fala que é impossível alfabetizar uma criança à distância, mas isso vai depender de quem está dando apoio em casa, os pais precisam se aproximar dos seus filhos, sentar com ele, estudar com ele. A gente mesmo se renova”, afirma.

Sobre as aulas, destaca que o professor fala claro, fazendo com que se entenda o que está sendo explicado. “O que o professor ensina não é diferente do que ele já vinha ensinando nas aulas presenciais, é só uma continuidade. Então, eu escrevo e anoto tudo para depois ensinar às minhas crianças”, explica dona Dona Edna.

Agencia/Acre

terça-feira, 25 de agosto de 2020

Em Feijó, Escola Rural Santo Antônio I recebe reforma e mobiliários novos

Quem sai de Feijó em direção a Tarauacá, no lado esquerdo do km 16 da BR-364, encontra a Escola Rural Santo Antônio I. Abandonada, a instituição foi completamente reformada e revitalizada pelo Governo do Acre, por meio da Secretaria de Educação, Cultura e Esporte (SEE).


Mais do que isso, recebeu mobiliários novos, como cadeiras, quadros, mesas para o setor administrativo e para o refeitório, além de bancos e armários. A Santo Antônio I tem 364 alunos nos ensinos fundamental, anos finais, e ensino médio.

O secretário Mauro Sérgio Cruz (SEE) visitou a escola na semana passada, oportunidade em que conversou com a equipe gestora e anunciou ainda mais melhorias. “Nosso compromisso é com os alunos, é para eles que realizamos esse conjunto de ações, para que eles se sintam bem e possam aprender mais”, afirmou.

O diretor da escola, Francisco Campos, agradeceu o apoio do governo e a presença do secretário, e todo o trabalho de valorização que vem sendo realizado pela equipe gestora.

Ao falar sobre a ampla reforma, Francisco foi enfático: “Quando cheguei aqui, deu vontade de ir embora, porque a escola estava completamente suja e abandonada, mas com a ajuda do governo ela está como vocês estão vendo, revitalizada e pronta para receber os alunos”. (Agência-Acre)