terça-feira, 10 de maio de 2011

                                             
ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS -1º AO 5º ANO
Proposta de Planejamento/ e ou Grupo de Estudo dos Descritores da Avaliação SEAPE de Língua Portuguesa 
    Trabalho de Formação dos Formadores do Gestar I –Profeling (Língua Portuguesa) 2011

  1-ACOLHIMENTO: Orientações da Coordenadora de Ensino Básico Profª Luciene Calixto:
Exposição do planejamento dos dias de encontro;
Importância do estudo dos descritores;
Reforço pedagógico para atender os alunos que estão abaixo do básico.

2-TEMPO DE DURAÇÃO: 4h.

3-OBJETIVOS:
Discutir os descritores de Língua Portuguesa;
Oferecer atividades que contemplam os descritores.

4-JUSTIFICATIVA:
Buscando elevar os índices das avaliações externas como SAEB/PROVA BRASIL E SEAPE urge discutir e sugerir alternativas que possibilitem as Unidades de Ensino conseguir resultados positivos na aplicação dessas avaliações.

5- DATAS PARA REALIZAÇÃO: 10 de maio de 2011(manhã);

6- LOCAL: Escola de Ensino Fundamental e Médio João Ribeiro.

7- PÚBLICO ALVO: Formadores (as), supervisores (as), Coordenação de Ensino e Pedagógica do Núcleo de Educação e das Escolas.

8- EQUIPE RESPONSÁVEL: Luciene Nunes Calixto, Arlete Neri, Auxiliadora da, Silva, Miracélia Moura, Maria do Perpétua, Léa Freitas, Liberdade Torres e Rogério Craveiro.

9-CONTEÚDO:  Descritores de Língua Portuguesa do 5º ano;

Detalhamento da Matriz de Referencia da 4ªsérie ( 5ºano), Ensino Fundamental
  (PROVA BRASIL E AVALIAÇÃO DO SEAPE)

PICO US DESCRITORES
I – PROCEDIMENTOS DE LEITURA
 D1-  Localizar informações explícitas em um texto.
 D3 - Inferir o sentido de uma palavra ou expressão.
 D4 - Inferir uma informação implícita em um texto.
 D6-  Identificar o tema de um texto.
D11- Distinguir um fato da opinião relativa a esse fato.

Constituem este tópico cinco descritores de habilidades.


 D1-  localizar informações explícitas em um texto.
Esta é uma habilidade básica na compreensão leitora do texto: a identificação de informação que estão claramente apresentadas no texto. Trata-se de localização de informação explicita, claramente identificável, o que permite avaliar se o estudante é capaz de localizar a informação, sem o auxilio de informação concorrente no texto.

D3-  Inferir o sentido de uma palavra ou expressão.
O grau de familiaridade com a palavra depende a frequência de convivência com ela, que, por sua vez, está ligada à frequência de leitura de diferentes gêneros discursivos. Por isso, a capacidade de inferir o significado de palavras – depreensão do que está nas entrelinhas do texto, do que não está explícito – evita o sério problema que se constitui quando o leitor se depara com um grande número de palavras cujo significado desconhece o que interfere na leitura fluente do texto. Assim, a inferência lexical – recobrir o sentido de algo que não está claro no texto – depende de outros fatores, tais como: contexto, pistas lingüísticas, para haver compreensão.

D4- Inferir uma informação implícita em um texto.
Da mesma forma que se depreende o sentido de uma expressão, há uma complexidade um pouco maior quando se pensa em inferência de informações. Este descritor requer do leitor uma capacidade de construir a formação que está subjacente ao texto, partindo do contexto e das pistas lingüísticas que o texto oferece. Trata-se, na verdade, do desenvolvimento do que está subjacente, posto que há um balanceamento entre as informações de superfície do texto e aquelas que serão resgatadas nas entrelinhas  do texto. Não è possível explicitar 100% as informações, sejam elas quis forem. Por isso, pode-se dizer que existem graus diferentes de implicitudes do texto.

D6- Identificar o tema de um texto.
Constitui-se em competência básica na compreensão do texto, pois trata do reconhecimento do tópico global do texto, ou seja, o leitor precisa transformar os elementos dispostos localmente em um todo coerente.

D11- Distinguir um fato da opinião relativa a esse fato.
Dois conceitos são importantes nesse descritor: fato e opinião relativa ao fato. O primeiro, algo que aconteceu (acontece), está relacionado a algo real, quer no mundo “extra textual”, quer no mundo textual. Já a opinião é algo subjetivo, quer no mundo real, quer no mundo textual, que impõe, necessariamente, uma posição do locutor do texto. Este é um descritor bastante importante, porque indica uma proficiência crítica em relação à leitura: a de diferenciar informação de uma opinião sobre algo. É preciso ressaltar que, frente aos objetivos da avaliação a que estes descritores estão ligados, os procedimentos de leitura dizem respeito à localização e à identificação das informações. 
 
MATRIZ DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO EM ALFABETIZAÇÃO – SEAPE 2ª SÉRIE / 3O ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL


 No quadro a seguir, você pode ver como os descritores da Matriz de Referência se articulam com os domínios e competências da Escala de Proficiência.

    DOMÍNIO
COMPETÊNCIAS

DESCRITORES
APROPRIAÇÃO
DA ESCRITA
Identifica letras
D1
Manifesta consciência fonológica.
D2
Lê palavras.
D3 e D4

ESTRATÉGIAS DE LEITURA
Localiza informação.
D5 e D6
Identifica tema.
    


          *
Infere.
Identifica gênero, função e destinatário de um texto.
PROCESSAMENTO DO
TEXTO


Estabelece relações lógico-discursivas.
Identifica elementos de um texto narrativo.
Estabelece relações entre textos.
Distingue posicionamentos.
Identifica marcas linguísticas.
* As habilidades envolvidas nessas competências serão avaliadas na 4ª série/5° ano e 8ª série/9° ano do Ensino Fundamental e no 3° ano do Ensino Médio.
Tópico I

Procedimentos de Leitura:

O conjunto de descritores que compõem esse tópico apresenta as habilidades lingüísticas consideradas fundamentais para a leitura de textos de gêneros diversos. Um leitor considerado maduro deve ser capaz de realizar tarefas como localizar uma informação que se encontra expressa no texto e identificar o sentido global desse texto. Acrescente-se, ainda, que ele deve saber o sentido de uma palavra ou expressão através da construção de inferências, além de perceber a intenção do autor do texto e distinguir entre fato e opinião. Por meio desse tópico, avalia-se, portanto, se o estudante é capaz de relacionar-se com o texto, localizando informações que se encontram apenas na sua superfície, mas também se ele pode atingir camadas mais profundas de significação. Este tópico apresenta cinco descritores. A seguir, detalharemos cada um deles, mostrando exemplos de itens que foram utilizados para avaliá-los.

D1- Localizar informações explícitas em um texto.
A habilidade que se avalia por meio desse descritor diz respeito à capacidade de o estudante localizar uma informação que se encontra explicitamente na sua superfície. Essa pode ser considerada a habilidade mais elementar para o desenvolvimento das demais habilidades de leitura. Assim, o item relativo a esse descritor deve solicitar ao estudante a identificação de uma determinada informação, entre outras também presente no texto. A seguir, você verá o exemplo de um item que avalia essa habilidade na 4ª série / 5º ano do EF.


D3- Inferir o sentido de uma palavra ou expressão.

Por meio desse descritor, avalia-se se uma habilidade inferencial específica, ou seja, verifica-se se o estudante sabe, com base no contexto, inferir o sentido de uma palavra ou expressão. Não se trata, contudo de verificar se o estudante conhece um vocabulário dicionarizado, mas sim se ele é capaz de reconhecer o sentido com que a palavra foi empregada num dado contexto. Os itens ligados a essa habilidade devem, assim, solicitar que o estudante reconheça, dentre algumas possibilidades, aquela que corresponde ao sentido ativado no texto em questão.
A seguir, você verá o exemplo de um item que avalia essa habilidade na 4ª série / 5º ano do EF.

D4- Inferir uma informação implícita em um texto.

As habilidades avaliadas por meio de itens relativos a esse descritor visam a aferir se o estudante é capaz de buscar nas entrelinhas os sentidos do texto, a partir da articulação das proposições explícitas e do conhecimento de mundo do leitor. A seguir, você verá o exemplo de um item que avalia essa habilidade na 4ª série / 5º ano do EF.


D6- Identificar o tema de um texto.
Essa é uma habilidade mais complexa, pois requer do estudante uma série de tarefas cognitivas para chegar ao tema, em torno do qual foi desenvolvido o texto.
Os itens relativos a esse descritor buscam aferir se o estudante é capaz de identificar o núcleo temático que confere unidade semântica ao texto.

A seguir, você verá o exemplo de um item que avalia essa habilidade.



D11- Distinguir um fato da opinião relativa a este fato.
Ser capaz de distinguir fato de opinião é uma prerrogativa para se observar os níveis de interação que os estudantes estabelecem com o texto. Os itens que avaliam essa habilidade precisam apresentar como suporte, textos que permitam a identificação de posicionamentos relativos aos fatos tratados no texto. A seguir, você verá o exemplo de um item que avalia essa habilidade.



1.Atividade em dupla ou trio

Agora, com a ajuda do livro didático localize itens relativos a esses descritores e  elabore situações de atividades, que avalia as habilidades em cada descritor do tópicio analisado.

2. A seguir analise essa sequência e transforme-a em uma situacão que avalia as habilidades dos descritores do tópico I.





Um comentário: