quarta-feira, 9 de abril de 2014

5º DIA DE FORMAÇÃO COM OS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO 9º ANO

                No dia 07/04/2014 aconteceu o último encontro de Língua Portuguesa sobre a Orientação Curricular.  Inicialmente realizamos a leitura dos conteúdos do 9º ano e fizemos a caixinha de segredo para socializar as dificuldades. Em seguida realizamos uma atividade de leitura sobre os bordões do Félix, da Novela Amor à vida. Continuando nossas atividades discutimos a diferença entre compreensão e interpretação, refletindo sobre os procedimentos de estudo ensinados aos alunos relacionados a leitura. Para demonstrar, foi feita a tematização da prática através da leitura de um texto, mostrando os procedimentos de uma 1ª leitura, 2ª leitura e elaboração de esquemas. Depois fizemos a leitura de um artigo da Revista Na ponta do Lápis sobre o bilhete catalisador.

1- Primeira leitura – tem como objetivo  identificar a idéia central do texto. Na primeira leitura imagine que você é um jornalista e irá apresentar uma matéria. Leia com entonação,respeitando a pontuação, os advérbios e valorizando os adjetivos,  sem pegar na caneta, sem rabiscar ou fazer anotações.
2- Segunda leitura – Neste momento, você deve fazer marcações, grifar e anotar as ideias principais de cada parágrafo do texto , assim como também adjetivos, conjunções e advérbios.
3- Esquema – organizar as idéias para ter a compreensão do todo do texto. 

PARQUES EM CHAMAS

  Saudados por ecologistas como arcas de Noé para o futuro, por serem repositórios de espécies animais e vegetais em extinção acelerada noutras áreas do país, alguns dos 25 parques nacionais do Brasil tiveram, na semana passada, a sua paisagem mutilada pelo fogo. A rigorosa estiagem que acompanha o inverno no Centro-Sul ressecou a vegetação e abriu caminho para que as chamas tragassem 6 dos 33 quilômetros quadrados do Parque Nacional da Tijuca, pegado à cidade do Rio de Janeiro, e convertessem em carvão 10% dos 300 quilômetros quadrados do Parque Nacional do Itatiaia, na divisa de Minas Gerais com o Estado Do Rio de Janeiro. Contido pelos bombeiros já no fim de semana, na Tijuca, e abafado por uma providencial chuva no Itatiaia, na quarta-feira, o fogo pipocou em outro extremo do país. Naquele dia , o incêndio começou no Parque da Serra da Capivara, no sertão do Piauí, calcinado há seis anos pela seca, e avançou pela caatinga, que esconde as pinturas rupestres inscritas na rocha, há pelo menos 31.500 anos, pelo homem brasileiro pré-histórico. 

1. O autor justifica o fato de os ecologistas referirem-se aos parques nacionais como “arcas de Noé para o futuro” da seguinte maneira:
a)    Porque são áreas preservadas da caça e pesca indiscriminadas;
       b) Porque ocupam espaços administrativamente delimitados pelo o Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal;
c) Porque espécies animais e vegetais que estão se extinguindo em outras regiões têm preservada sua sobrevivência nesses parques; 
d) Porque há agentes florestais incumbidos de zelar pelos animais e vegetais dos parques;
e) Porque nesses parques colecionam-se casais de espécies animais e vegetais em extinção noutras áreas.
 2. A respeito dos incêndios referidos pelo autor, depreende-se do texto que:
a)      Embora tivessem ameaçado espécies animais e vegetais raras, apresentaram um lado positivo: aumentaram a produção de carvão;
b)      Foram provocados pela rigorosa estiagem do inverno, no Centro-Sul, e pela seca prolongada no sertão nordestino; 
c) Não foram debelados por providenciais chuvas que eventualmente vieram a cair sobre os parques;
d)   Não foram combatidos com presteza e eficiência pelos bombeiros;
e)    Destruíram parte da flora e fauna das reservas, desfigurando sua paisagem. 

3. Depreende-se que o autor do texto, em relação ao fato descrito, manifesta:
a) Descaso;
b) Hesitação;
c) Desesperança;
d) Pesar;
e) Indiferença;

4. Aponte a única conclusão que é estrita e licitamente dedutível do texto:
a)      As chamas serviram para mostrar a precária situação dos parques brasileiros;
b)      Devem ser tomadas providências para dotar os parques de meios para se protegerem dos incêndios;
c)      Devem ser desencadeadas campanhas para conscientizar a população de como evitar incêndio nos parques;
d) Parte da culpa dos incêndios cabe às autoridades responsáveis pelas reservas e parques;
 e) O incêndio no Parque da Serra da Capivara ameaçou valioso patrimônio histórico e antropológico. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário