sexta-feira, 11 de setembro de 2020

Educação é um dos setores mais bem avaliados do governo nesses 600 dias. Saiba a razão

 A Educação é considerada um dos mais destacados setores do governo do estado nesses primeiros seiscentos dias, ou um ano e meio de gestão. A conclusão é de uma pesquisa encomendada pelo próprio governo e realizada em todo o estado.

O Secretário Mauro Sérgio Cruz, nessa entrevista, lista as razões dessa boa avaliação, com destaque para o trabalho que não foi interrompido sequer perla pandemia.  

Secretário Mauro Sérgio Cruz

A TRIBUNA –  Esses 600 dias de governo acabam sendo marcados – e isso é inevitável, pela pandemia e seus efeitos. Como o senhor avalia a ação do governo do Acre e de sua secretaria nessa crise do COVID 19?

Mauro Sérgio Cruz – Mesmo com a pandemia, nosso governo fez muito. O nosso governador está de parabéns. E na área da educação, não ficou por menos. Desde o primeiro momento que ele me chamou e, a pedido dele, organizamos nossas equipes com a diretora de Ensino, a Denise Souza, montou o programa Escola em Casa, tornando o Acre o primeiro Estado da região Norte que realizou atividades à distância na pandemia. Nós temos um portal educacional hoje onde essas aulas estão disponibilizadas, as videoaulas e áudio aulas que permitiram não ser interrompido o ano letivo. Hoje, temos atendimento de 80% dos nossos alunos. Fizemos um mutirão, uma busca ativa em todo o estado, para trazer, resgatar aqueles 15%, 20% que ainda precisam ser conscientizados da importância de concluir o ano letivo deste ano, que não parou, que continua. E a gente deseja que todos os alunos que se matricularam na rede mantenham a oportunidade de ter conhecimento, estudando. E a gente está ampliando tudo isso. Estamos trazendo agora outras ferramentas importantes, o google Classrom. Estamos trazendo a possibilidade de ampliar o acesso dos nossos alunos no portal através de internet gratuita. Também fizemos a distribuição de sacolões. Foram 40 mil sacolões que a secretaria distribuiu a pedido do Comitê Covid. Foi uma decisão de governo juntamente com outras secretarias. Assistência Social, secretaria de Planejamento, da Saúde e nós, da Educação, fizemos a distribuição.

Nos meses de julho, agosto, nós compramos aproximadamente mais de um milhão de itens relacionados com a agricultura familiar. Montamos aproximadamente 10 mil kits, cestas básicas da agricultura familiar para entregar para os alunos do ensino médio.

Adquirimos itens importantes para o reinício do ano letivo. A gente não sabe quando essa pandemia vai acabar. Mas aconteceu todo um investimento, 110 ônibus que a secretaria e o governador do Acre entregaram para os municípios e para as unidades de ensino no interior. Compramos também 14 mil chromebooks que são laboratórios móveis que vão atender todas as escolas da rede. Queremos ampliar outro tipo de investimento na área da ciência, com laboratórios móveis. O senador Márcio Bittar destinou uma emenda de R$ 4 milhões e a gente investiu na aquisição de laboratórios móveis de ciência, química, física e biologia, que também mandaremos para as escolas. 67 escolas serão atendidas com esses kits. Compramos e atualizamos todo o parque de TI das escolas, da área de gestão, administrativa das escolas. Foram dois mil  novos computadores de última geração encaminhados para as escolas, incluindo as rurais e indígenas. Sem falar do investimento na melhoria da infraestrutura das escolas. Só no ano passado foram aproximadamente 248 unidades e esse ano de janeiro até agora foram mais 138 escolas atendidas. A Secretaria de Educação, por meio de processo de licitação está adquirindo itens necessários para a segurança dos alunos. Estamos comprando kits de álcool em gel, medidor de temperatura, máscara para todos os alunos, para que a gente possa garantir a segurança dos alunos no retorno do ano letivo.

Programas importantes que foram iniciados neste ano serão ampliados no ano que vem, como uniformes escolares para os estudantes. O Segundo Prato, uma ideia revolucionária do governador e que é uma realidade hoje. Nenhuma sai da escola e vai para casa com fome. Todo mundo bem alimentado. Uma escola digna para esse aluno estudar e para o professor trabalhar. Esta é uma gestão que visa levar essa visão humanista para nossas unidades escolares.

Nunca na história desse Estado a secretaria tinha adquirido livros didáticos específicos para a Eja. Antigamente, os alunos da Eja usavam os livros do Telecurso. Então eram livros didáticos antigos que os alunos do ensino médio estudavam. Agora eles têm livros didáticos específicos para a sua formação desde o Fundamental I, o Fundamental II e o Ensino médio. Acreditamos que o aluno da Eja será ainda mais valorizado, com a nova dinâmica, com a nova reorganização. No ano que vem teremos muitas novidades no campo de ensino, com escolas vocacionadas, com escolas militares organizadas, cursos profissionalizantes.

Outro grande avanço foi o dos colégios militares. Quando nós assumimos, eram três colégios e hoje nós temos sete escolas em municípios diferentes. Existe uma possibilidade aí de mais duas unidades federais.

Foram 40 mil sacolões que a secretaria distribuiu a pedido do Comitê Covid. Nos meses de julho, agosto, nós compramos aproximadamente mais de um milhão de itens relacionados com a agricultura familiar para os alunos do ensino médio.”

A TRIBUNA – O que está no planejamento da Secretaria para o próximo ano?

Mauro Sérgio Cruz – Vamos criar um colégio agrícola na Transacreana. Nós vamos trazer um outro colégio para alunos do Ensino que vai trabalhar com a base nacional curricular e ao mesmo tempo com a formação técnica profissional, sobretudo na área do agronegócio, da agricultura para que esses novos técnicos venham se inserir no mercado de trabalho. Nós vamos ter um colégio só voltado para o desenvolvimento de técnicos de TI, redes, logística, de alto padrão, de inovação e tecnologia. Vai ser uma escola aqui em Rio Branco. Vamos ter uma escola bilíngue. Poucas cidades têm escolas bilíngue e nós teremos uma escola do ensino médio bilíngue. Alunos voltados para o inglês, para o Espanhol, francês, para línguas estrangeiras, Libras. Vamos ter uma escola voltada para o desenvolvimento de potencial esportivo para os nossos jovens. Uma escola de desportos lá no São Francisco, perto da Berta Vieira. E vamos ter uma escola também de arte, de música. Serão escolas vocacionadas, além do novo ensino médio integral e das escolas militares, nós teremos essas escolas para que os jovens possam fazer as suas opções, potencializar as suas vocações.

Compramos e estamos distribuindo 110 ônibus para os municípios e para as unidades de ensino no interior. Compramos também 14 mil chromebooks que são laboratórios móveis que vão atender todas as escolas da rede. Estamos adquirindo  de laboratórios móveis de ciência, química, física e biologia, para as escolas. 67 escolas. Atualizamos todo o parque de TI das escolas, da área de gestão, administrativa das escolas. Foram dois mil  novos computadores”

A TRIBUNA – O Acre foi o primeiro estado a concluir 100% do Censo Escolar, o que o senhor tem a dizer sobre isso?

Mauro Sérgio Cruz – O Censo foi uma conquista que concluímos com êxito. Mas um dado preocupa. Nós tivemos um corte, uma perda de 5, 6 mil alunos. Estamos fazendo uma busca ativa para trazer esses jovens de novo para a escola. O que  nós queremos é que em outubro, na correção do censo, esses 5, 6 mil alunos voltem e a gente possa cadastrá-los. Não podemos perder ninguém de vista.

A TRIBUNA –  Em relação ao Fundeb ano que vem tem alguma coisa prevista para o Estado?

Mauro Sérgio Cruz – Está previsto. Nós já conversamos com o TCE de forma informal para fazer um estudo junto com lideranças da educação, com o Tribunal, com a PGE e apresentar uma proposta que venha a valorizar o professor. Uma política de valorização, até no cuidado com a saúde. Hoje, a nossa secretaria é uma das poucas secretarias que tem no Brasil que cuida do professor. Nós temos fisioterapeutas, psicólogos. Temos cuidado com o professor. Nós temos agora a jornada do autoconhecimento que estamos oferecendo para o professor. Fizemos parceria com o instituto Ayrton Senna para cuidar da saúde do professor. Hoje, nós temos professores que dão testemunho de vida maravilhosos. Eu encontrei professoras de moto, levando a atividade para os alunos. A moto cheia de lama. Com as atividades na mochila dela. Isso é um testemunho bonito demais. As professoras que eu encontrei ontem em Porto Acre, morando na escola. Dormindo na escola. Isso é testemunho de vida. Então os professores precisam primeiro de uma escola bem cuidada, de uma escola onde realmente eles possam desenvolver os seus trabalhos, com tecnologias novas, computadores, laboratórios de ciência, com laboratório de informática.

Mas também a gente precisa pensar na valorização salarial do professor. Já fizemos sete propostas. Estamos estudando essas sete propostas. Vamos apresentá-las no final do ano para a equipe de governo, para o TCE. É uma proposta que vai gradativamente  ampliando essa ajuda financeira para o professor. O Fundeb, até 2026, vai ter sempre um acréscimo. A gente fez uma proposta de 2021 até 2026, pensando nessa valorização do professor que está na sala de aula. Nós não podemos desenvolver um bom trabalho se a gente não tiver professor motivado na sala de aula. Nosso governador sabe disso e deu uma demonstração de coragem ao contratar novos professores.

fonte: a tribuna

Nenhum comentário:

Postar um comentário