segunda-feira, 18 de junho de 2018

EQUIPE DO PROGRAMA "QUERO LER" PRESENTE NA MOSTRA VIVER CIÊNCIA ITINERANTE 2018 EM TARAUACÁ


Equipe de Coordenação do Programa Quero Ler, liderada pelo Professor Francisco Souza o 'Moço', esteve presente durante os dois dias da realização da Feira Viver Ciência Itinerante em Tarauacá.

A equipe montou um espaço com material e informações sobre o o "Quero Ler", maior programa de Alfabetização de Jovens e Adultos do Governo do Estado do Acre.  

No Acre, além do ensino básico, governo do Estado investe na educação superior

Só pelo Parfor o Acre tem 1.256 acadêmicos e mais de 150 já se formaram este ano (Foto: Nattércia Damasceno)
A educação é um direito de todos e está garantida na Constituição Federal, mas nem todos os governos tomam essa pasta como prioridade. Não é o caso do Acre, um dos sete estados da Região Norte. Nessa parte da Amazônia brasileira, o investimento na formação por parte da administração estatal perpassa a formação básica.

Desse lado, o governo do Estado se preocupa com a formação da população também em nível superior. Não é a toa que, somente por meio da parceria do Estado com a Universidade Federal do Acre (Ufac), de 2000 a 2014 foram celebrados sete convênios para sete programas distintos de graduação.

Esses programas garantem a formação de professores e também comunidades. É o caso da licenciada em Biologia Anaclesia Lopes, que fez a graduação graças ao empenho dos dois órgãos em programas como o Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica (Parfor).

“Por meio desse programa que vem ajudando varias pessoas sem formação acadêmica, consegui realizar o sonho de toda uma vida, que era cursar Biologia, e hoje estou formada por uma das melhores universidades da América Latina”, conta Anaclesia.
Anaclesia estudou Biologia no município de Cruzeiro do Sul (Foto: Mágila Campos)
Além do Parfor, a parceria da Ufac com o governo acreano, por meio da Secretaria de Estado de Educação e Esporte (SEE), garante ainda a oferta dos programas Proformação, Pro-Saber 1 e 2, o Programa de Licenciaturas para os Municípios Isolados ou de Difícil Acesso (Profir) e o ProEco, destinado aos professores da zona rural.

Há ainda o Programa Especial para Formação de Professores na área de Matemática (Proemat), projeto que faz parte do Plano de Formação Docente e que em sua primeira edição ofertou 400 vagas, distribuídos para professores e comunidades em Rio Branco, Cruzeiro do Sul, Tarauacá e Brasileia. Foi por ele que o casal Letícia Ventura e Antônio Mesquita se graduou.

Para eles, o Proemat tem grandes significados, já que foi no curso que se conheceram. Letícia é professora de matemática e Antônio, consultor de vendas. “Trabalho no ramo comercial, mas meu sonho agora depois de formado é trabalhar como professor de matemática também”, revela.

O casal se conheceu se formou em matemática (Foto: Daiane Soares)
Sistema UAB

Letícia, Antônio e Anaclesia integram o grupo de acreanos que fizeram cursos nos campi presenciais, mas a realidade do Acre, por suas características geográficas e isolamento de vários dos seus municípios, exige formação que vá além do formato presencial e responda às reais necessidades do sistema, sem abrir mão da qualidade.

Foi então que o governo do Acre, por meio da Secretaria de Educação e Esporte, aderiu ao Sistema Universidade Aberta do Brasil (UAB), com a finalidade de expandir e interiorizar a oferta de cursos e programas de educação superior na região. O sistema é integrado por universidades públicas que oferecem cursos de nível superior para profissionais da educação e comunidade, na modalidade de educação a distância.

Por esse modelo, o Estado firmou parcerias com diversas universidades públicas do país e ofertou de 2007 a 2011 mais de 1.500 vagas em cursos de nível superior como Pedagogia, Administração, Artes Visuais, Teatro e Música, além de diversos cursos de pós-graduação e aperfeiçoamento.

“A adesão do Acre ao sistema UAB, com a modalidade de educação a distância, traduz o esforço do governador Tião Viana, que em conjunto com as instituições parceiras tem alcançado os municípios isolados, os quais, de outra forma, não seriam contemplados com oferta de curso superior”, ressalta o secretário de Estado de Educação, Marco Brandão.

Atualmente o Estado trabalha com oito polos do Sistema Universidade Aberta do Brasil, localizados em regiões que contemplam diferentes regiões. Há polos distribuídos em Acrelândia, Brasileia, Cruzeiro do Sul, Feijó, Rio Branco, Sena Madureira, Tarauacá e Xapuri.

Secom/Acre

Inscrições para Prêmio Jovem Cientista vão até 31 de julho.


Estudantes dos ensinos médio e superior, mestres e doutores podem se inscrever no prêmio, que aborda o tema "Inovações para a conservação da natureza e transformação social". As linhas de pesquisa podem ser consultadas no site do PJC

Desde o dia 29 de janeiro, estão abertas as inscrições para a 29ª edição do Prêmio Jovem Cientista (PJC), cujo tema será "Inovações para a conservação da natureza e transformação social". 

Podem concorrer estudantes do Ensino Médio, Ensino Superior, mestres e doutores. 

Há, ainda, mais duas categorias dentro do prêmio: Mérito Científico para o pesquisador doutor que, ao longo de sua trajetória, tenha se destacado na área relacionada ao tema da edição, e Mérito Institucional para instituições dos ensinos médio e superior com o maior número de trabalhos qualificados.

As inscrições e os trabalhos podem ser enviados até o dia 31 de julho, para o site www.jovemcientista.cnpq.br. A partir do mês de fevereiro serão disponibilizadas web aulas no site do PJC, voltadas para o tema deste ano, com o intuito de auxiliar os participantes no decorrer do prêmio.

Instituído em 1981, o PJC incentiva a pesquisa científica e os estudantes e jovens pesquisadores que buscam soluções inovadoras para os desafios do país. Biodiversidade, empreendedorismo e sustentabilidade, inovação e inclusão digital são algumas das linhas de pesquisa que podem ser consultadas no site do prêmio.

A 29ª edição do Prêmio Jovem Cientista é uma iniciativa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) / Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Fundação Roberto Marinho, Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza e Banco do Brasil.

Conheça as linhas de pesquisa

Na 29ª edição do Prêmio Jovem Cientista, estudantes do ensino superior, mestres e doutores poderão inscrever trabalhos relacionados a uma das seguintes linhas de pesquisa:

Benefícios socioeconômicos gerados por unidades de conservação e demais áreas protegidas;

Biodiversidade, serviços ecossistêmicos e bem-estar humano;

Empreendedorismo e modelos de negócios para a inclusão digital e uso sustentável de recursos naturais;

Incentivos econômicos para a conservação e o uso sustentável da natureza;

Inovações para a conservação e o uso sustentável da natureza;

Inovações para a inclusão digital da sociedade brasileira;

O papel da biodiversidade e dos serviços ecossistêmicos na adaptação às Mudanças do Clima;

Práticas inovadoras em educação, comunicação e divulgação sobre biodiversidade;

Produção e consumo ambientalmente sustentáveis;
Tecnologias digitais para transformação social;

Tecnologias para incentivar a prática de economia colaborativa e sustentável.

Já na categoria Ensino Médio, poderão ser inscritos trabalhos relacionados a uma das seguintes linhas de pesquisa:

Comunicação e mobilização para a valorização de áreas protegidas;

Empreendedorismo e soluções locais para a conservação e o uso sustentável da natureza;

Inovações para a conservação da natureza e o uso sustentável no ambiente escolar;

Práticas inovadoras em educação ambiental e conservação da natureza;

Tecnologias digitais para a conservação da natureza;
Tecnologias digitais para transformação social.

mais informações AQUI

sexta-feira, 15 de junho de 2018

NÚCLEO REALIZA OFICINA PREPARATÓRIA PARA O CONCURSO DE FAN PAGE 2018


O Núcleo Estadual de Educação através do Núcleo de Tecnologia Educacional NTE, promoveu uma oficina para escolas das redes estaduais que vão participar do Concurso de Fan Page da Mostra Viver Ciência 2018. 


As professoras Maria Livramento e Elizângela Aragão do NTE cuidaram de todo o processo de criação das fanpages das escola, inscrições no concurso e incentivo à participação. 


O professor Raimundo Accioly foi convidado para ministrar uma palestra sobre a importância da comunicação das escolas com a sociedade.

REGULAMENTO PARA CONCURSO DE FANPAGE INSTITUCIONAL

A Comissão Organizadora da Mostra Viver Ciência 2018 torna público o regulamento para inscrição no Concurso de Fanpage Institucional que selecionará e premiará as escolas da rede pública de ensino do Estado do Acre, conforme as condições abaixo:

CAPÍTULO I – DA PARTICIPAÇÃO

1. Poderão participar escolas públicas estaduais e municipais que atendam a um ou mais níveis e modalidades de ensino da Educação Básica, localizadas na zona urbana ou rural que já possuam Fanpage Institucional ativa e atualizada.

CAPÍTULO II – DAS INSCRIÇÕES

1. As inscrições serão feitas, exclusivamente, através do site:
www.viverciencia.see.ac.gov.br.

2. O período de inscrição será de 07 de maio a 11 de junho de 2018.

3. Para se inscrever, a escola deverá preencher a ficha de inscrição disponível no site da Mostra Viver Ciência 2018.

4. A ausência de quaisquer informações na ficha de inscrição resultará no indeferimento.

5. As Fanpages das escolas estaduais com inscrição efetivada serão acompanhadas por um formador(a) do NTE (Núcleo de Tecnologia Educacional Estadual). No caso de inscrições de escolas Municipais, o acompanhamento será de responsabilidade da Coordenação do NTEM (Núcleo de Tecnologia Educacional Municipal) e/ou Secretaria Municipal de Educação.

CAPÍTULO III – DOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

a) Apresentação visual da Fanpage;

b) Resumo com apresentação institucional da Fanpage;

c) Publicações com foco educacional;

d) Galeria de fotos;

e) Galeria de vídeos;

f) As fotos das publicações devem ter texto coerente com a imagem;

g) Linguagem formal;

h) As Fanpages deverão conter, no mínimo, uma publicação relacionada com o tema da Mostra Viver Ciência 2018: “Amazônia Viva”.

i) Cada escola participante deverá fazer uma publicação em sua Fanpage sobre o concurso, inserir a logomarca da Mostra Viver Ciência 2018 em destaque e um link para o site do evento.

CAPÍTULO IV - DAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO

1. As comissões formadas por membros da rede NTE serão responsáveis pela classificação das 20 melhores Fanpages, a partir dos critérios de avaliação elencados no Capítulo III. A decisão dessas comissões é soberana.

2. Serão avaliadas as publicações e atualizações das Fanpages até o dia 11 de julho de 2018.

3. Para efeito de classificação, as Comissões analisarão as Fanpages no período de 12 a 30 de julho de 2018.

4. Quaisquer dúvidas, divergências ou situações não previstas neste regulamento serão julgadas pelas Comissões formadas por membros da rede NTE.

5. As comissões da rede NTE indicarão as 20 (vinte) melhores Fanpages que serão classificadas para a 2a etapa, considerando o número de escolas de abrangência de cada NTE:

NTE de Rio Branco 8

NTE de Cruzeiro do Sul 4

NTE de Sena Madureira 2

NTE de Brasileia 2

NTE de Tarauacá 2

NTE de Acrelândia 2

CAPÍTULO V – DA CLASSIFICAÇÃO FINAL

1. As 20 (vinte) Fanpages classificadas pelas redes NTE terão seus links postados na Fanpage da Viver Ciência no dia 01 de agosto de 2018.

2. A partir da publicação das Fanpages na página oficial da Mostra, o prazo final para contabilização de curtidas e seguidores será até às 12 horas do dia 31 de agosto de 2018.

3. A pontuação final será obtida pela somatória de seguidores (cada seguidor corresponde a 1 ponto) e curtidas (0,5 ponto a cada bloco 10 curtidas) da Fanpage da escola.

4. A classificação das Fanpages dar-se-á em ordem crescente.

CAPÍTULO VI – DA PREMIAÇÃO

1. As 20 (vinte) escolas com as Fanpages classificadas receberão certificado de participação.

2. As 3 (três) escolas com as Fanpages finalistas em ordem crescente: (1o, 2o e 3o lugar), receberão premiação a ser divulgada posteriormente.

CAPÍTULO VII – CRONOGRAMA

1. Mobilização e acompanhamento nas escolas para as inscrições: 07/05 a 11/06 de 2018.

2. Oficinas de Fanpage institucional oferecidas nos NTE de Rio Branco, Cruzeiro do Sul, Sena Madureira, Brasiléia, Tarauacá e Acrelândia para adequação e/ou criação da Fanpage da escola: maio, junho e julho de 2018.

3. Será disponibilizado no endereço nteriobrancoacre.blogspot.com.br, a partir de 07/05 de 2018, tutorial para criação e publicação de Fanpage, visando auxiliar as escolas participantes.

4. Análise pelas comissões constituídas: 12 a 30/07 de 2018.

5. Divulgação do resultado das escolas classificadas na Fanpage da Mostra Viver Ciência: 01/08 de 2018.

6. Prazo para a campanha de curtidas: de 01/08 a 31/08 de 2018; sendo esse dia o último momento, até o meio dia, para a contabilização de curtidas dos seguidores da Fanpage.

7. Divulgação do resultado final e premiação: 31/08 de 2018.

CAPÍTULO VIII – DAS DISPOSIÇÕES FINAIS

1. A Comissão Organizadora da Mostra Viver Ciência 2018 analisará os casos particulares e fornecerá os esclarecimentos necessários.

2. Qualquer publicação na Fanpage, relacionada à prática de crime (preconceito em geral, pornografia, bullying, entre outros), que desvirtue o concurso resultará na desclassificação da escola.

3. As demais eventualidades serão submetidas à apreciação da Comissão Organizadora do Evento.

Este Regulamento entra em vigor na data de sua publicação.

Rio Branco – AC, 07 de maio de 2018. 

Comissão Organizadora
Mostra Viver Ciência


quinta-feira, 14 de junho de 2018

Jovens soltam a voz na primeira etapa do Festival Estudantil da Canção 2018


A primeira eliminatória do 3º Festival Estudantil da Canção foi realizada nesta sexta-feira, 8, na Escola Leôncio de Carvalho, localizado na Vila da Amizade.

O evento é realizado pelo governo do Estado, com apoio da Prefeitura de Rio Branco, por meio da Secretaria Adjunta da Juventude.

Ao todo, 22 estudantes das escolas: Darci Vargas, Raimunda Pará, Sebastião Pedrosa, Carlos Vasconcelos, Lorival Pinho e Leôncio de Carvalho apresentaram músicas autorais e conhecidas e busca de uma classificação.

Apenas quatro foram classificados para a etapa seguinte. Essa é a eliminação para os candidatos da capital, já a final será no dia 10 de agosto, na Praça da Juventude, no Segundo Distrito.

O titular da secretaria municipal da Juventude, Daniel Alves, explicou que, além dessa classificatória, haverá a que classificará os alunos das instituições superiores, no próximo dia 14, na Universidade Federal do Acre.

Francielle Amorim, 16 anos, é aluna do 3º ano do ensino médio da escola Leôncio de Carvalho, está participando pela segunda vez do FEC, a primeira foi na primeira edição, em 2016. “Estou ansiosa e pretendo desta vez ir para final e atingir meu objetivo”, conta a jovem.

A edição 2018 tem 311 inscritos, de 48 escolas municipais, estaduais e particulares, superando o número de inscritos da edição anterior que foram 268, isso somente em Rio Branco.

Sarah Fadúl, 17 anos, estuda o 3º ano do ensino médio, na escola Lorival Pinho. A estudante relata que, também, é a segunda vez que participa do FEC. “Canto desde 12 anos na igreja e meu objetivo, este ano, é ganhar”, diz.

Para a coordenadora do Programa de Mão Dadas com a Escola, da SEE, Vera Lúcia Pires, o FEC oferece a oportunidade para que os alunos demonstrem seus talentos e depois possam, quem sabe, seguir uma vida profissional.

“Tivemos uma experiência com um aluno, que participou o ano passado, e, hoje, está em São Paulo desenvolvendo trabalhos musicais. E ele foi ganhador do FEC, ou seja, o festival pode ser uma porta aberta para que os jovens possam progredir na questão da música”, completou.

A premiação para os ganhadores do FEC 2018 será de R$ 3 mil para o 1º lugar, R$ 2 mil para o segundo e R$ 1 mil para o terceiro colocado. Também terá premiação de R$ 500,00 para o vídeo mais curtido na página do FEC no Facebook e a torcida mais atuante de cada participante será premiada com um kit de Rádio Escolar.

Fonte: SEE

Escolas de tempo integral revolucionam aprendizado no Acre


A educação no Acre vem passando por uma série de melhorias na gestão do governador Tião Viana. Uma das maiores mudanças está na oferta do ensino integral, modalidade que tem agradado alunos, professores, gestores e a comunidade em geral.

Para tornar esse modelo uma realidade, o governo do Estado investiu somente em 2017, R$ 21 milhões dos R$ 28 milhões dos recursos destinados à escola em tempo integral, ou seja, 75% do total. Os outros R$ 7 milhões vieram de repasses do governo federal por meio do Ministério da Educação (MEC).

A proposta é simples, mas inovadora. Fazer com o que aluno permaneça mais tempo na escola, participe das mais diversas atividades, curriculares e extracurriculares e se torne protagonista do seu próprio futuro, sendo capaz de escolher áreas do conhecimento com as quais mais se identifique.

Em 2017, as primeiras sete escolas de tempo integral começaram a funcionar em Rio Branco: Instituto Lourenço Filho (IELF), Glória Perez, Humberto Soares, José Ribamar Batista (Ejorb), Jovem Boa União, Sebastião Pedrosa e Armando Nogueira (Cean).

Mais de 4,4 mil alunos vivenciam as práticas e vivências da Escola Integral (Foto: Arquivo SEE)
Já em 2018, o governo aumentou os investimentos e mais três escolas de tempo integral foram implementadas no interior do Estado: Craveiro Costa, em Cruzeiro do Sul, Djalma da Cunha Batista, em Tarauacá, e Kairala José Kairala, em Brasileia. Ao todo, são mais de 4,4 mil alunos atendidos dentro desse modelo.

Para o secretário de Educação, Marco Brandão, o ensino integral representa um novo tempo para a educação pública acreana e traz a identidade do aluno acreano. “Essa é a escola jovem, que tem a identidade dos nossos jovens do século XXI, que são multifuncionais, que evoluíram nas atividades. Aqui ele é nosso protagonista e participa do processo de construção do conhecimento”, disse Brandão.

Quem trabalha nas escolas de tempo integral também nota a diferença desse novo modelo de ensino, que prepara o aluno para os desafios e as tendências profissionais do século XXI.

“Hoje a gente percebe um diferencial enorme de quando trabalhava com o outro modelo de ensino. Com 27 anos de Educação, eu nunca tinha visto nada parecido. A gente convive com eles, a gente conhece a realidade deles, e isso ajuda a desenvolver nos alunos as competências e as habilidades que eles precisam ter para o século 21”, declara a coordenadora da Boa União, professora Cláudia Valente.

O que dizem os alunos sobre a escola integral

“É indiscutivelmente uma forma melhor de aprendizado. Vai aumentar o desenvolvimento, fazendo com que a gente fique mais autoconfiante, o que ajuda na formação e no conhecimento.”

Kimberley Bernardo Prudêncio – Escola Sebastião Pedrosa

“Estudar numa escola de tempo integral, além de ser uma experiência nova, também nos ajuda a despertar o protagonismo da nossa própria vida. Eu aprendi a traçar metas para que meus sonhos não ficassem apenas na utopia.”

Eduardo Renso Nascimento – Escola José Ribamar Batista (Ejorb)

“Vocês não sabem o que estão perdendo. Eu digo isso para outros alunos que não estudam em uma escola de tempo integral.”

Taine Menezes – Glória Perez

“Os professores sabem o que têm que fazer, tudo é mais dinâmico, a gente fica maravilhada com o acolhimento, e isso nos ajuda a pensar a escola de forma diferente.”

Liriel Ferreira – Sebastião Pedrosa

“A escola de tempo integral está um passo à frente das outras que não são, pois lá a gente faz aquilo que gosta e aprende de verdade.”

Maria Eduarda Oliveira – Escola Jovem Boa União

“Demorei um pouco para me adaptar, mas a escola de tempo integral me ajudou a mudar até a minha personalidade dentro de casa. Aprendi que sem um projeto de vida definido nós não somos nada.”

Luciano Silva – Armando Nogueira

Secom/Acre

quarta-feira, 13 de junho de 2018

CPFs DISPONÍVEIS NO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO


Avisamos a todas as pessoas que solicitaram emissão de CPF durante a realização do Projeto Mulher Cidadã, em Tarauacá recentemente, que os mesmos já estão disponíveis na recepção do Núcleo Estadual de Educação, localizado na esquina da Avenida Coronel Juvêncio de Menezes com Justiniano de Serpa.

Agradece a organização.  

Povos indígenas prestigiam mostra de ciência e tecnologia em Tarauacá

Estudantes indígenas da escola Nossa Senhora de Fátima (Foto: Eduardo Gomes)
Às margens do Rio Tarauacá está localizada a escola indígena Nossa Senhora de Fátima, construída na Aldeia Carapanã. É lá que o professor José Batista Sabino leciona para mais de 70 jovens nativos da etnia Kaxinawá. Pela primeira vez, os estudantes prestigiaram as exposições da Mostra Viver Ciência Itinerante, na regional Tarauacá/Envira.

O docente acompanhou os alunos, que, segundo ele, ficaram admirados com as exposições científicas. “Sem dúvidas, o que eles mais gostaram de visitar foram as salas do Núcleo de Educação Tecnológica e as exposições de estudos científicos, os experimentos interativos.”

Observar equipamentos tecnológicos de décadas passadas e futuras também atraiu a atenção do professor. “Ver computadores e instrumentos que a gente nunca havia visto é um grande avanço para meu povo, em especial meus alunos, que ainda não conheciam algumas coisas que estão na mostra. Para mim, é uma satisfação estar aprendendo e vendo outros indígenas aprender também.”

Natural da terra indígena Carapanã, Marcleide da Silva Kaxinawá, de 12 anos, se disse encantada com tudo que presenciou durante o maior evento científico da educação básica do Acre. “Achei muito bonito, gostei muito das exposições, experimentos e das apresentações de música e dança. Pretendo participar outras vezes desse evento.”
Observar equipamentos tecnológicos de décadas passadas e futurísticas também atraiu a atenção do professor (Foto: Eduardo Gomes)
Há cinco anos trabalhando na sala de aula, José Sabino, que ensina língua portuguesa, língua indígena, educação física e religião, garante que a integração entre escolas indígenas e urbanas proporciona conhecimento a todos os envolvidos.

Além de prestigiarem o evento, alguns estudantes indígenas também se apresentaram no palco cultural da mostra, dançando e cantando para o público. “Ver o envolvimento entre todos os alunos é algo maravilhoso. Para mim, trazer meus alunos para prestigiarem a mostra nos incentiva a fazermos algum projeto para o ano seguinte. Ter esse contato com outras pessoas nos impulsiona a fazer sempre o melhor”, afirmou o docente.
Viver Ciência
Indígenas moradores da Aldeia Carapanã prestigiaram a Viver Ciência em Tarauacá (Foto: Eduardo Gomes)
Quase 15 mil pessoas passaram pela segunda edição do maior evento científico da educação básica do Acre, na regional Tarauacá/Envira. A Viver Ciência Itinerante foi realizada nos dias 7 e 8 deste mês, na Escola Estadual Djalma da Cunha Batista, e contou com a participação de 23 escolas da região, incluídas instituições indígenas e ensino especial.

Foram mais de 40 exposições abertas aos visitantes, que puderam interagir com as atividades de iniciação científica e robótica, além de participarem do Planetário móvel, que este ano recebeu mais de duas mil pessoas em Tarauacá. A Viver Ciência é uma iniciativa do governo do Estado, por intermédio da Secretaria de Estado de Educação e Esporte (SEE).

Secom/Acre