quarta-feira, 19 de junho de 2019

Projeto capacita professores da Escola Jovem Boa União

A Secretaria de Educação, Cultura e Esportes (SEE), por meio da Diretoria de Planejamento, iniciou na Escola Jovem Boa União (Integral) o projeto Escola Segura, que é coordenado pelo sargento Maurelando Leão, e que nesta terça-feira, 18, realizou a capacitação de professores.

Trata-se da primeira fase do Projeto que nada mais é do que um alinhamento sobre segurança pública escolar, onde os professores aprendem a diferenciar, entre outras coisas, o que é um ato de indisciplina e o que é um ato infracional, além de conhecer os mais diversos tipos de drogas.

Em um segundo momento, o projeto será desenvolvido com os alunos por meio de rodas de conversas, onde serão abordadas questões ligadas a segurança pública e também o combate ao uso de drogas e, a partir daí, preparar diversos materiais como peças de teatro, canto, dança, poesias. No final, tudo isso será apresentado à comunidade em uma grande atividade no Teatro Plácido de Castro, o Teatrão.

O coordenador explica que além da Escola Boa União, outras escolas de Rio Branco também receberão o projeto, que foi idealizado pelo secretário de Mauro Sérgio Cruz (SEE), que ao assumir sentiu a necessidade de fazer algo frente ao abandono em que se encontravam as escolas.

O Projeto Escola Segura possui quatro eixos. O primeiro é a melhoria da sensação de segurança. O segundo é a segurança patrimonial. O terceiro eixo é o desenvolvido de ações, como as que estão acontecendo na Boa União e o quarto eixo é a criação do Centro de Tecnologia e Informação de Segurança Escolar.


Para o diretor de Planejamento da SEE, professor Márcio Mourão, que fez questão de participar da abertura das atividades na Boa União, ressaltou a necessidade de se estar trabalhando projetos dessa natureza. “São projetos voltados para a segurança de nossos alunos e eles começam nas escolas, sendo fundamental também o apoio da família”, destacou.

Dentro da Boa União, o projeto vem sendo incentivado pela coordenadora de ensino, professora Cláudia Valente, que destaca haver um sentimento de segurança desde que a escola passou a ter segurança armada. “E a polícia também está dentro da escola, o que melhora muito o nosso trabalho e os professores também sentem-se muito mais seguros”, faz questão de dizer. (SEE

Começam as aulas na Escola de Música do Acre

A oportunidade de estudar música inicia nesta segunda, 17, para mais de 160 estudantes da Escola de Música do Acre. A aula inaugural ocorreu na noite da última sexta, 14, e contou com diversas apresentações musicais.



A programação contou com uma apresentação dos professores de música da escola (Foto: Dayana Soares)

Entre os novos alunos estava o operador de máquinas pesadas, Welton Júnior, que pela primeira vez terá a chance de aprender a tocar um instrumento musical.

“Eu decidi fazer aula de contrabaixo para tocar na igreja. Eu tenho um pouco de noção com o violão, mas nunca tive aula, nem contrabaixo, nem de violão. Estou com grandes expectativas para as aulas”.

Comunidade compareceu à aula inaugural Foto: Dayana Soares

De acordo com o diretor da instituição, Albanir Lebre, a escola conta com cursos de Musicalização Infantil para crianças de 7 a 11 anos, Contrabaixo, Violão, Violino, Guitarra, Contrabaixo e Percussão. “Inicialmente nós estamos com esses cursos, mas a intensão é aumentar o nosso público”, explica o diretor.

Segundo o secretário de Educação, Cultura e Esportes, Mauro Sérgio Cruz, para o próximo ano, o modelo da escola de música está sendo repensado para que ela possa acolher mais alunos.

Segundo secretário de Educação, o modelo da escola está sendo repensado Foto: Dayana Soares

“Essa escola de música é uma preciosidade para a comunidade porque a partir dela, jovens se formarão no campo musical e a gente sabe o quanto a música e a arte são importantes para a formação da nossa juventude, sobretudo dos jovens que frequentam as nossas escolas públicas”, frisou secretário.

SEE

Estão abertas as inscrições para a 6ª Edição do Prêmio Respostas para o Amanhã

Encerra na próxima segunda-feira, 17, as inscrições para o Prêmio Respostas para o Amanhã. O prêmio é uma iniciativa da Samsung voltada para os professores e estudantes de ensino médio da rede pública, coordenada pelo Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (CENPEC) em parceria com a Unesco, Rede Latino-Americana (Reduca) e da Organização dos Estados Ibero-Americana pela Educação (Reduca) e da Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI) e com o apoio do Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed).

O prêmio tem como proposta engajar estudantes, sob orientação dos professores, na busca por soluções de impacto, que contribuam para a sociedade e as comunidades em que vivem a partir da aplicação prática dos conhecimentos curriculares. Os vinte projetos semifinalistas serão selecionados e divulgados em 1o de agosto. Os dez finalistas serão conhecidos em 28 de agosto.

Podem participar os professores de biologia, física, química e matemática ou outras disciplinas relacionadas às áreas das ciências da natureza e da matemática e suas tecnologias que lecionem no ensino médio, em escolas públicas das redes municipais, estaduais e federal. O docente que realizar a inscrição será o orientador do projeto. Outra novidade para 2019 foi a inclusão dos professores das áreas das ciências humanas e suas tecnologias e linguagens, códigos e suas tecnologias como possíveis professores parceiros do projeto.

O Prêmio é realizado desde 2014 em vários países da América Latina, no Brasil já mobilizou mais de 153 mil estudantes, 10.200 professores de cerca de 4.120 escolas e 18.686 projetos em todo o Brasil.

Premiação:

Projetos semifinalistas

Cada professor orientador e até dois professores parceiros dos 20 (vinte) projetos semifinalistas serão contemplados com 1 tablet Samsung.

Projetos finalistas

Cada uma das escolas dos 10 (dez) projetos finalistas será contemplada com 1 (uma) TV

Samsung 55” e 1 (um) notebook Samsung.

Vencedores nacionais

1o lugar: Cada aluno da equipe vencedora será contemplado com 1 smartphone Samsung. O professor orientador e 5 (cinco) estudantes representantes do projeto vencedor em primeiro lugar também serão contemplados com uma viagem para São Paulo, no mês de novembro de 2019, para participação no Prêmio Respostas para o Amanhã América Latina.

2o lugar: 1 notebook Samsung para cada um dos alunos da equipe vencedora.

3o lugar: 1 tablet Samsung para cada um dos alunos da equipe vencedora.

Vencedores na categoria Júri Popular: Os três projetos escolhidos por votação do público receberão um troféu de reconhecimento.

Os três vencedores nacionais, serão anunciados no dia 30 de setembro. A equipe melhor classificada será convidada a apresentar o projeto na Etapa regional, em São Paulo, com os demais vencedores de países da América Latina.

As inscrições devem ser feitas somente pelo site www.respostasparaoamanha.com.br/inscricão

Acre apresenta resultados da Educação em seminário internacional

Os projetos e avanços da educação acreana foram apresentados nesta quinta-feira, 13, pelo secretário de Educação, Cultura e Esportes (SEE), Mauro Sérgio Cruz, aos participantes do I Encontro Internacional de Educação Alternativa e Especial da Região Norte da Amazônia Boliviana, na cidade de Cobija (Pando – Bolívia).

O Encontro acontece no auditório da Universidade Amazônica de Pando (UAP) até sábado, 15, e conta a participação de professores, estudantes e representantes de organizações sociais e indígenas do Brasil, da Bolívia e do Peru. Além do professor Mauro Cruz, também proferiram palestras o ministro da Educação da Bolívia, Roberto Aguilar, além de um representante do diretor regional de Educação do Departamento de Madre de Dios (Peru).

Por meio da palestra “Políticas Educativas no Brasil: enfoques, avanços e projetos”, o secretário de Educação do Acre fez um balanço do que tem sido realizado pelo governador Gladson Cameli, destacando também os projetos que ainda deverão ser executados para melhorar a qualidade do ensino.

De acordo com ele, o enfoque da política é voltado ao aluno, ao professor e à escola em si. “Isso porque é na sala de aula onde acontece a grande transformação da educação, onde temos alunos motivos a aprender e, por isso, temos desenvolvido no Acre uma política para acolher os jovens”, disse.

Ele também abordou os mais diversos programas voltados para professores e alunos que tem a finalidade de melhorar a qualidade de ensino. Entre estes o de saúde bucal, atendendo sobretudo estudantes da zona rural, projeto que deverá ser ampliado para o interior do Estado e também o que trata da visão do aluno, o “Olhar Digital”.

Aumento da renda per capita da merenda escolar, as escolas integrais, as militares, a contratação de mais de 8 mil professores para atender a rede, inclusive de mediadores para trabalhar com o ensino especial, foram outros enfoques abordados pelo secretário Mauro Cruz.

“Realizamos todo esse trabalho porque entendemos que a educação é um ato de liberdade e esse ato acontece exatamente dentro da escola, pela apropriação do conhecimento, integrando a saúde do professor com o trabalho motivacional ao aluno, tornando completo o trabalho em sala de aula”, afirmou.

Compartilhar as experiências educacionais também é parte importante do encontro. Na Bolívia, o governo investe 8,8% do Produto Interno Bruto (PIB) em Educação, sendo este o segundo maior percentual na América Latina, o que possibilitou ao país vizinho fazer com que a taxa de analfabetismo caísse para 2,3% da população com mais de 15 anos, tornando-o território livre do analfabetismo.

“É uma honra compartilhar um pouco dessas experiências com os estudantes e professores desta universidade, que é uma referência aqui em nossa região. Aprendemos com esse intercâmbio e ficamos motivados em continuar acreditando no poder transformador da educação, pois só conseguiremos avançar se a gente trabalhar unido”, frisou o secretário Mauro Cruz.

SEE

Educação promove programa de saúde para atender os estudantes

O Departamento de Formação e Assistência Educacional da Secretaria de Estado de Educação (SEE), por meio da Divisão de Assistência Estudantil e Saúde, desenvolve o ‘Programa Cuidando da Saúde Estudantil’ voltado para os alunos da rede estadual, do Ensino Fundamental I ao Ensino Médio, garantindo a assistência nos atendimentos médicos, odontológicos, fonoaudiológicos e psicológicos, com a finalidade de elevar a qualidade do ensino e o nível de aprendizagem dos estudantes.

O programa é uma parceria com a Secretaria de Saúde e foi desenvolvido para atender os alunos tanto das escolas urbanas quanto das escolas rurais em projetos específicos, com os seguintes profissionais: dentistas, técnicos em saúde bucal, pediatras, fonoaudiólogos, psicólogos e assistentes sociais.

No caso dos atendimentos dos alunos da zona rural, a SEE disponibiliza ônibus para fazer o transporte dos estudantes até os consultórios escolares mais próximos ou até mesmo na Fundação Hospitalar, se for o caso, e assim dar continuidade aos tratamentos.

“Nós sabemos a importância desses projetos também para a aprendizagem dos nossos alunos. O aluno que vê bem, com certeza, vai aprender melhor e é isso que nós queremos, nossos alunos saudáveis e felizes com potencial para aprender”, comentou a chefe do Departamento de Formação e Assistência Educacional, profª Lídia Cavalcante.

Dificuldade de aprendizado pode estar relacionada a problemas de visão. Por não enxergar bem, a criança acaba não conseguindo ler o que está escrito no quadro e nem nos livros, e por isso não compreende os conteúdos ocasionando o baixo rendimento escolar, desinteresse, evasão e muitos casos de reprovação.
Números do Programa Cuidando da Saúde Estudantil

O projeto Olhar Digital oferece atendimento oftalmológico e organizou uma triagem com 1.200 atendimentos. Desses, 392 alunos foram diagnosticados com algum problema de visão e encaminhados para a Fundação Hospitalar para exames mais detalhados. O programa viabilizará ainda, a aquisição de óculos.

O projeto Odontológico denominado Sorriso Saudável e Feliz já atendeu 2.447 alunos nos consultórios escolares e realizou 16.943 procedimentos como extrações, limpezas, restaurações, tratamento de canal, aplicação de flúor e a colocação de aparelho ortodôntico para aperfeiçoar o sorriso e a saúde bucal. O programa conta com 15 consultórios escolares em Rio Branco e 2 em Cruzeiro do Sul. 52 novos alunos iniciaram o tratamento com uso do aparelho ortodôntico este ano e 300 estão em tratamento de manutenção do aparelho.

Além de promover o tratamento odontológico, a SEE também faz o trabalho de prevenção nas escolas e oferece palestras e rodas de conversas com dentistas e técnicos sobre escovação e saúde bucal com 13.795 atendimentos registrados. Também realizou a distribuição de 23.2560 escovas e 1.348 cremes dentais para o uso dos alunos em ambiente escolar.

O programa leva ainda, médicos pediatras para as escolas para que possam realizar as consultas das crianças do Ensino fundamental I e hoje já são 671 alunos alcançados.

Outros serviços também são oferecidos, como oficinas de saúde e palestras sobre gravidez na adolescência. Somando 1.216 jovens e adolescentes envolvidos e os atendimentos fonoaudiológicos e de assistência social, com 627 estudantes atendidos.

FONTE: SEE

sexta-feira, 7 de junho de 2019

CENSO ESCOLAR 2019 É LANÇADO EM TARAUACÁ


Com a participação de representantes da Secretaria Estadual de Educação, Prefeitura de Tarauacá, Prefeitura de Feijó, Gestores Escolares da Regional Tarauacá - Envira, Sinteac e professores, aconteceu na manhã da última quinta feira, 6 de junho, o Lançamento do Censo Escola 2019. O evento foi realizado durante dota manha no auditório do Sinteac. 



Os trabalhos foram coordenados pelo Núcleo Estadual de Educação  som comando da Professora Deise Catão. Deise fez a abertura oficial, dando boas vindas a todos e desejando uma manhã de trabalho produtivo. 



Participaram do encontro Márcio Mourão - Diretor de Planejamento Orçamento e Desenvolvimento Institucional, representando o Secretário Estadual de Educação, Martins Rodrigues Casas - Chefe da Divisão e Monitoramento de Dados Escolares, Jelsoni Calixto - Coordenador Estadual do Censo Escolar, Marilete Vitorino - Prefeita de Tarauacá, Orlando Bezerra - Secretário Municipal de Educação, Lauro Benigno - Presidente do Sinteac, Everly Damasceno -  Coordenador do Núcleo de Educação de Feijó, Geagila Santos - Representante da Secretaria Municipal de Educação de Feijó e Deise Maria de Abreu Catão Coordenadora do Nucleo Estadual de Educação de Tarauacá.


A programação contou ainda com atividades culturais com apresentação de música pelo Coral da Escola Estadual João Ribeiro que cantou o Hino de Tarauacá e uma apresentação teatral de crianças da Escola Municipal Infantil Aucilene Calixto.



O Censo Escolar 2019, cuja primeira etapa já está em andamento e se estende até o dia 31 de julho, é um mecanismo importante para que o governo do estado saiba quantos estudantes existem nas redes públicas estadual, municipal e privada. A coleta de informações segue até o dia 31 de agosto, quando os dados serão tabulados e analisados pelo Instituo Anísio Teixeira, o Inep, organizador da pesquisa. A segunda fase começa no dia 1º de setembro e vai até o dia 30 do mesmo mês.


De posse desses números é que o governo federal calcula o montante de recursos que serão destinados ao Estado. Pelo censo escolar será definido, por exemplo, quanto o Acre receberá do Fundo Nacional da Educação Básica, o Fundeb, ou do Programa Nacional de Alimentação Escolar ou ainda o de Transporte Escolar.



















Assessoria Nucleo de Tarauacá

O sonho de ter um curso superior se torna realidade para mais de 200 professores em Tarauacá

O município de Tarauacá presenciou nesta quinta-feira, 30, a formatura de 204 professores que concluíram a Licenciatura em Pedagogia por meio do Programa Nacional de Formação de Professores da Educação Básica – Parfor, uma ação conjunta entre Governo do Estado, através da Secretaria de Estado de Educação, Cultura e Esportes – SEE, e Universidade Federal do Acre (UFAC).

Lazaro Cezar de Jesus é natural de Cruzeiro do Sul e desde criança tinha o desejo de ser professor e sonhava cursar uma faculdade. Aos vinte e cinco anos, tendo apenas o ensino médio, foi morar na zona rural, numa propriedade localizada entre a cidade natal e o município de Tarauacá.

Lázaro de Jesus comemora a formação em Pedagogia e a aprovação no concurso público (Foto: Mardilson Gomes/ Ascom SEE)
“Nesse momento da minha vida eu achei que seria impossível realizar meu sonho porque eu não tinha formação para ser professor. Porém, ali fui chamado pra trabalhar em uma turma multisseriada, um desafio muito grande. Decidi enfrentar e me encontrei na sala de aula, me sentia realizado. É um dia de grande felicidade, pois, pra quem achava que seria impossível cursar uma faculdade, hoje comemoro dois sonhos realizados: no mesmo ano em que me formo em Pedagogia sou aprovado no concurso efetivo para professor”, conta Lázaro.

O Parfor tem como objetivo, induzir e fomentar a oferta de educação superior, gratuita e de qualidade, para professores em exercício na rede pública de educação básica, para que estes profissionais possam obter a formação exigida pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB e contribuam para a melhoria da qualidade da educação básica no País.

Formandos realizando o Juramento durante a solenidade (Foto: Mardilson Gomes/ Ascom SEE)
Durante a solenidade, a defesa da educação pública e de qualidade deu o tom nos discursos de graduandos e autoridades. Segundo o coordenador institucional do Parfor no âmbito da Ufac, professor Mark Clark de Carvalho, por meio do programa e da parceria entre universidade e secretaria de educação foi possível chegar a dezenove, dos vinte e dois municípios do estado.

“O Parfor tem se constituído como único programa público governamental, realizado por instituições públicas de nível superior. Pra nos é motivo de muita satisfação estar entregando ao município de Tarauacá mais 204 pedagogos formados pela Ufac”, afirma o coordenador.

Atágila Araújo comemora a graduação em Pedagogia no dia do seu aniversário (Foto: Foto: Mardilson Gomes/ Ascom SEE)
Há 8 anos trabalhando como professora, Atágila Araújo é a única da família a concluir o nível superior. Sua mãe estudou até a antiga quarta série do ensino fundamental e criou seus quatro filhos sozinha, morando na zona rural do município. “Essa formação é um sonho realizado pra mim e pra minha família. Hoje tenho duas filhas, que foram alfabetizadas por mim. Através da Educação eu quero proporcionar a elas o que eu não tive”, relata.

“Estar nesta parceria é um presente para a equipe do governo do estado, para os formandos e suas famílias, para o município, mas, principalmente, para os alunos, que estarão recebendo em nossas escolas novos professores. Porque tenho certeza que depois dessa formação eles serão profissionais diferentes”, destaca a professora Lídia Cavalcante, chefe do departamento de formação e assistência educacional da Secretaria de Educação.

No início deste ano mais 485 professores, distribuídos em doze turmas, iniciaram o curso de Pedagogia pelo Parfor nos municípios de Cruzeiro do Sul, Marechal Thaumaturgo, Porto Walter, Santa Rosa, Jordão, Feijó e Tarauacá.

Josimar Ferreira, Vice-reitor da UFAC (Foto: Mardilson Gomes/ Ascom SEE)
Segundo o vice reitor da UFAC, professor Josimar Ferreira, a parceria entre a universidade, governo do estado, por meio da SEE, e municípios vem se consolidando cada vez. “O Parfor não se executa sozinho. Essa noite é a demonstração de uma parceria que está dando certo e que vai avançar muito mais com a atual gestão. A Educação em nosso país está enfrentando uma crise. Então, é muito representativo hoje nós estarmos formando mais de 200 profissionais da educação, que estarão nas escolas pra desenvolver o ensino público e fazer com que as crianças e jovens que estão iniciando o processo educacional possam, no futuro, transformar o nosso país”, finaliza Ferreira.


Fonte: SEE

terça-feira, 4 de junho de 2019

Índios Katukinas fazem festa para receber o secretário de Educação em aldeia no Juruá

Os índios da etnia Katukina, que vivem às margens da BR-364 numa região localizada 50 quilômetros após Cruzeiro do Sul rumo a Tarauacá, no Vale do Juruá, estão em festa desde a última segunda-feira (02), com direito a todos os rituais e tradições de eventos comemorativos: danças, cantorias e ingestão de caiçuma, um tipo de bebida alcóolica dos indígenas consumida em festejos, de produção rudimentar, extraída da mandioca.

Professor festejou junto com os índios/Foto: arquivo pessoal
Tamanha celebração tem sentido: desde 1983, quando a Terra Indígena foi criada, jamais um Secretário de Estado de Educação esteve entre aquele povo e, ao atender o convite para uma visita a aldeia, o atual secretário Mauro Sérgio Ferreira da Cruz, não só fez história como anunciou melhorias nas escolas da aldeia, o que foi motivo para os Katukinas festejar. As escolas vão ganhar, entre outras melhorias, a utilização de ventiladores nas salas de aula para amainar o calor que se torna praticamente insuportável mesmo para quem vive e contempla a natureza em sua plenitude.

O secretário Mauro Sérgio esteve na aldeia acompanhado da coordenadora do Núcleo da Secretaria de Educação, Cultura e Esportes (SEE) de Cruzeiro do Sul, Ruth Bernadino, e do coordenador de Educação Indígena, Nilo Barreto. Visitou a à escola Tamakayã, localizada no km 50 da BR-364, sentido Cruzeiro/Tarauacá, na qual estudam pelo menos 200 alunos.

O secretário Mauro Sérgio esteve na aldeia acompanhando os trabalhos de perto/Foto: arquivo pessoal
Ao redor da escola Tamakayã há pelo menos outras três menores. Ali estudam crianças de até dez anos de idade, quando elas concluem o quarto ano do ensino fundamental. Aí se transferem para a Tamakayã para serem iniciadas em estudos que incluem ciências e a língua portuguesa, já que, enquanto estão nas escolas no entorno, apreendem exclusivamente na língua original de seu povo.

Além da vistoria nas escolas, a equipe técnica do secretário Mauro Sérgio, que passarão a contar com ventiladores e só não terão ar condicionado porque a capacidade na energia elétrica rural não suportaria os aparelhos, professores indígenas solicitaram a implantação e acompanhamento do Plano Político-Pedagógico (PPP), que deverá ser concluído ainda este ano.

A equipe técnica da secretaria de Educação foi recepcionada com apresentações, como músicas e danças, demonstrando a força e a importância da cultura tradicional, que pode ser combinada e associada aos conhecimentos do que os índios chamam de “homem branco”. Os professores e lideranças locais agradeceram a presença do secretário informando que é a primeira vez que o representante maior do órgão visita a escola e a comunidade e aproveitaram para fazer algumas reivindicações, como a ampliação dos espaços e construção de outros (biblioteca e sala de informática), além da formação continuada de professores.

“A Secretaria precisa estar dentro da escola, conhecendo a realidade de cada comunidade. O governador Gladson Cameli colocou a educação indígena como prioridade e é exatamente isso que estamos fazendo, porque ela é responsabilidade de cada um de nós”, afirmou Mauro Sérgio.

Por TIÃO MAIA, DO CONTILNET