quarta-feira, 17 de outubro de 2018

DIRETORAS DAS ESCOLAS JOÃO RIBEIRO E DELZUITE BARROSO AGRADECEM AO GOVERNO DO ESTADO PELOS INVESTIMENTOS NAS ESCOLAS.


A Diretora da Escola de Ensino Médio João Ribeiro no município de Tarauacá, professora Ilca Azevedo, ao receber 9 aparelhos de ar condicionado nesta última terça feira, 16 de outubro, que serão instalados nas salas de aula da escola, agradeceu ao Governo do Estado pelo investimento. Na oportunidade, o equipamento foi entregue pela Coordenadora do Núcleo de Educação, Professora Francisca Aragão na presença de estudantes, professores e equipe gestora. 


"Gostaríamos de agradecer ao Governo do Estado através do Núcleo de Educação, pelo cuidado que estão tendo com nossa escola. Melhoramos a estrutura da unidade com a troca do telhado, reforma, pintura e revisão na rede elétrica. Agora recebemos os aparelhos de ar condicionado que vão melhorar o ambiente das nossas salas de aula com mais conforto para alunos e professores", disse Ilca.


Da mesma forma fez a professora Dalva Pontes, Diretora da Escola Delzuite Barroso. "Estamos recebendo esses aparelhos de ar condicionado que vão melhorar nosso ambiente escolar. Já havíamos recebido a reforma e ampliação da escola do qual somos estamos gratos ao Governo do Estado e ao Núcleo de Educação", agradeceu Dalva.

Assessoria Núcleo de Educação

GOVERNO DO ESTADO REFORMA ESCOLA RURAL 15 DE JUNHO NA COMUNIDADE DO ACURÁUA


O Governo do Estado do Acre, está reconstruindo a Escola Estadual Rural 15 de Junho, que atende 274 alunos da comunidade do Acuráua e Região. São 5 salas de aula, mais uma sala para a direção, uma cantina, energia elétrica e água potável através de poço artesiano. São 9 professores, 6 servidores do quadro administrativo. 2 ônibus atendem a comunidade escolar.


A obra iniciou já no segundo semestre de 2018 e tem previsão para ser concluída até o final do ano. 

































Assessoria Nucleo Tarauacá

terça-feira, 16 de outubro de 2018

EM TARAUACÁ ESCOLAS DA REDE ESTADUAL RECEBEM 91 APARELHOS PARA CLIMATIZAÇÃO


O que parecia ser um sonho distante, quase inalcançável para milhares de crianças e adolescentes da rede pública estadual em Tarauacá, vem ganhando contornos bem definidos e já é uma realidade para todas as escolas urbanas da Rede Estadual de Ensino. A climatização das salas de aula chegou a todas as escolas.


O Programa de Climatização das Escolas na rede estadual é uma determinação do governador Tião Viana, e além de possibilitar a aquisição de equipamentos, permitiu a construção e instalação de subcabeamentos para a reestruturação da rede elétrica das unidades.


Graças a um bom planejamento, que envolve desde a captação de recursos ao esforço concentrado de instalação dos aparelhos de ar-condicionado, a Secretaria de Educação e Esporte do Acre (SEE) já beneficia todos os estudantes com salas climatizadas.


A Professora Francisca Aragão, Coordenadora do Núcleo Estadual de Educação em Tarauacá, acaba de entregar os últimos aparelhos de ar condicionado nas escolas João Ribeiro e Delzuite Barrodo, perfazendo assim um total 91 equipamentos que vão proporcionar um salto de qualidade no ensino-aprendizagem, sobretudo, no período do verão amazônico.


Foram assim distribuídos os aparelhos por escolas:

João Ribeiro - 9
Delzuite Barroso - 6
São José - 13
Plácido de Castro - 11
Rosaura Mourão - 10
Djalma Batista - 28
Edmundo Pinto - 6
Tupanir Gaudêncio - 8

Implantado pela SEE em 2017, o programa mudou a realidade das escolas da rede pública do Estado. 


Para a professora Francisca Aragão, os investimentos promovidos pelo Governo do Estado na modernização da estrutura física das unidades de ensino fazem parte da política educacional do governo do Estado, que renovou o ambiente escolar na busca pela qualidade do processo ensino-aprendizagem. "Com isso, estudantes da rede pública passaram a ter melhores condições de estudo".

O secretário de Estado de Educação e Esporte, Marco Brandão, lembra que a climatização contribui para a melhoria do aprendizado dos alunos. “Um ambiente refrigerado é mais agradável e desperta ainda mais o interesse do estudante pelas atividades. A climatização representa o compromisso do governo do Estado com a modernização das unidades de ensino”.

Com a instalação dos aparelhos de ar-condicionado o que se percebeu foi uma redução nos números de faltas entre os alunos. As turmas mais envolvidas com os projetos da escola também ganharam momentos de estudo mais confortáveis em sala de aula, aumentando o rendimento escolar.

O Programa de Climatização nas Escolas ocorre nos 22 municípios do estado, abrangendo, até o primeiro semestre de 2018, 25 escolas do ensino médio, 130 escolas de ensino fundamental e 43 escolas de ensino misto. Até o fim de 2018 todas as escolas da rede estadual de ensino estarão climatizadas.






Com informações da Assessoria SEE

segunda-feira, 15 de outubro de 2018

No dia do professor, categoria comemora avanços na educação estadual

No estado, que tem mais de 10 mil professores, entre efetivos e provisórios, uma nova geração de profissionais vem promovendo uma verdadeira revolução na forma de ensinar, sobretudo porque sentem que estão sendo valorizados em todos os aspectos. E o governo do Acre não mediu esforços ao longo desses anos para investir na categoria.

Um levantamento do Departamento de Pessoas, da Secretaria de Estado de Educação e Esporte (SEE), mostra que, entre os anos de 2010 e 2018, o aumento salarial foi de até 72% para a categoria.

Em 2010, por exemplo, o professor P2, de carga horária de 30 horas, recebia R$ 1.675,80. Em 2018, passou para R$ 2.402,80, aumento de 43%. (Veja a tabela completa).

Nesse mesmo período, 1.968 novos professores foram contratados em concurso público e houve um aumento de mais de R$ 311 milhões na folha de pagamento, um acréscimo de 74,5%.

Essa valorização permite ganhos consideráveis na forma como os professores trabalham seus conteúdos com os alunos.

Quando a próxima administração estadual assumir, em 2019, encontrará profissionais compromissados com o ofício e dispostos a ousar sempre, em prol da comunidade onde trabalham.

Um exemplo é de Daniel Gomes, professor de física na escola Professora Heloísa Mourão Marques, no bairro Aeroporto velho.

Professor de física Daniel Gomes leciona na escola Heloísa Mourão Marques, no bairro Aeroporto velho (Foto: Mardilson Gomes/See)
Se Copérnico ou Galileu estivessem vivos e pudessem assistir a uma aula de Gomes, com certeza, ficariam boquiabertos com a facilidade com que seus alunos assimilam os conteúdos de astronomia.

O projeto Astronomia Aberta, idealizado como atividade paralela aos estudos teóricos da disciplina, trabalha questões como a existência de vida fora da terra, o funcionamento de um buraco negro, de que é formada uma estrela, um asteroide e como funcionam as galáxias, de um modo praticamente lúdico.

E acredite: as duas horas-aulas que ele tem na escola não foram empecilho para ele.

“Como eu tenho 13 turmas e praticamente nenhum tempo extra pela manhã, resolvi me dedicar aos alunos no contraturno. Reuni algumas lunetas cedidas pela Ufac, preparei vários vídeos sobre o Universo e começamos a caminhar, eu e os estudantes que se interessaram pela matéria, desvendando novas oportunidades de conhecimento pela prática”, conta o professor, que é formado em Física pela Universidade Federal do Acre e aprovado no concurso público da SEE em 2014.

Os alunos do 1º ao 3º ano se empenham em fazer o melhor, buscando explorar cada vez mais as novas possibilidades de aprendizagem. Entre eles está Gabriele Bezerra, 17 anos, do 2º ano.

“A forma como ele explica, por exemplo, o movimento de rotação e translação da terra ou o que contém uma estrela é muito divertido, quando ele usa documentários”, diz a jovem.

Na escola José Ribamar Batista, também no Aeroporto Velho, jovens cientistas, sob a tutela do professor Fernando César Rivarola Ramirez, também da cadeira de Física, se especializam em robótica experimental para participarem do First Lego League, o FLL, maior festival de robótica do mundo, cujas eliminatórias serão realizadas em São Paulo, em novembro deste ano.

Para trabalhar com uma turma de 15 estudantes, o professor sensibilizou a direção da escola a reativar o laboratório, que estava servindo de almoxarifado. Ali, ele trabalha com a garotada na construção de experimentos. Embora tenha obtido o apoio da Escola Sesi, Ramirez se orgulha de seus alunos pela capacidade da reinvenção.

“Pedimos sempre que tragam alguma coisa que não presta mais em casa, seja uma fonte de celular, um disco rígido quebrado de computador, um capacitor velho ou circuitos integrados e placas de imãs. São quinquilharias que, em vez de serem jogadas no lixo, são reutilizadas por uma boa causa, a ciência da robótica”, ressalta o docente.
Acre segue com o melhor desempenho no Ideb

Políticas públicas integradas, investimentos em infraestrutura física das escolas e a qualificação de professores, entre outras ações executadas pelo governo do Estado, permitem que hoje o Acre continue a celebrar avanços nos indicadores de educação, como confirmam os novos números divulgados pelo Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb).

Todos os municípios do Acre alcançaram a meta do Ideb projetada para o ensino fundamental, de acordo com o resultado divulgado pelo Ministério da Educação (MEC).

O fato coloca novamente o estado como o mais bem avaliado na Região Norte, estando em primeiro lugar entre alunos do 1º ao 5º ano, segundo lugar do Norte no 6º ao 9º e nono lugar, em nível nacional, entre os que mais avançam no ensino médio.

Nos anos iniciais do ensino fundamental, o Acre saiu de uma nota de 3,8 no Ideb em 2007 para 6,1 em 2017, destacando uma grande melhoria em seu sistema educacional nos últimos 10 anos.

“Saímos do último lugar da educação há vinte anos e hoje estamos aqui como o segundo melhor desempenho do Norte e Nordeste do Brasil. Temos escolas simples já alcançando notas além disso. É uma luta dos professores, de todos os trabalhadores da educação, em que meu papel é dizer muito obrigado porque o futuro agradece essa oportunidade que estamos dando para as próximas gerações”, ressalta o governador Tião Viana.

Ainda no Ideb, o estado ultrapassou a meta exigida para as turmas até o 5º ano em nível regional, alcançando a média de 6.1, a mesma em nível estadual, com alunos da mesma série. Nesse mesmo critério, o Acre vem alcançando a média estabelecida pelo Ideb nos últimos seis balanços, desde 2007.

Fonte: Agência de Notícias do Acre

15 de Outubro — Dia do Professor


No dia 15 de outubro, é comemorado o Dia do Professor, um dos profissionais mais importantes em nosso país, mas que nem sempre são valorizados como deviam.

O dia dos professores é comemorado, anualmente, no dia 15 de outubro, por conta de um decreto assinado durante o governo João Goulart.

O que se comemora no Dia do Professor?

No dia 15 de outubro, é comemorado o Dia do Professor, data em que se homenageiam os responsáveis pelo desenvolvimento da educação e do conhecimento no país, abrangendo um grupo de profissionais que trabalham desde a educação infantil até o ensino superior. Como todos sabemos, trata-se de uma das mais importantes profissões praticadas no mundo, afinal, sem ela, a transmissão de conhecimentos e a correta apreensão destes pelas pessoas seriam praticamente impossíveis.

Quando foi criado o Dia do Professor?

A origem do Dia do Professor se deve ao fato de, na data de 15 de outubro de 1827, o imperador D. Pedro I ter instituído um decreto que criou o Ensino Elementar no Brasil, com a instituição das escolas de primeiras letras em todos os vilarejos e cidades do país. Além disso, o decreto estabeleceu a regulamentação dos conteúdos a serem ministrados e as condições trabalhistas dos professores.

Tempos depois, mais precisamente no ano de 1947, o professor paulista Salomão Becker, em conjunto com três outros profissionais da área, teve a ideia de criar nessa data um dia de confraternização em homenagem aos professores e também em razão da necessidade de uma pausa no segundo semestre, até então muito sobrecarregado de aulas.

Mais tarde, em 1963, a data foi oficializada pelo decreto federal nº 52.682, que, em seu art. 3º, diz que “para comemorar condignamente o dia do professor, os estabelecimentos de ensino farão promover solenidades, em que se enalteça a função do mestre na sociedade moderna, fazendo delas participar os alunos e as famílias”1. O responsável por aprovar esse decreto foi o presidente João Goulart.
Como se tornar um professor no Brasil?


tornar-se professor no Brasil, é necessário ter curso superior ou pós-graduação na modalidade licenciatura.

No Brasil, para tornar-se professor, é preciso ter curso superior em uma área relacionada com o ensino, seja a pedagogia ou qualquer curso na modalidade de licenciatura, no qual se apreendam os principais conceitos didáticos pedagógicos e agariem-se as primeiras experiências em sala de aula.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Além disso, qualquer outro cidadão que tenha concluído o ensino superior com uma formação complementar posterior (pós-graduação lato sensu ou stricto sensu) também pode ministrar aulas na universidade, com a recomendação de que o profissional faça uma especialização de docência em nível superior ou algum outro curso correspondente.

Desafios encontrados pelos professores no Brasil

O grande problema com relação ao exercício do professorado é a desvalorização da profissão. Embora seja uma das competências mais admiradas pela sociedade, os profissionais da área sofrem, em alguns casos, com baixos salários, precárias condições de trabalho e com o trabalho excessivo.

Além disso, destacam-se outros fatores, como a indisciplina dos alunos e a superlotação das salas. Essa realidade reflete-se no baixo interesse dos estudantes em se tornarem professores, pois a minoria dos que prestam vestibular e Enem deseja ingressar em carreiras relacionadas com licenciatura ou pedagogia.

Soma-se a esses fatores o peso que, muitas vezes, o professor carrega em educar os estudantes, haja vista que, não raro, as famílias transferem essa responsabilidade para a escola. Segundo o professor e filósofo Mario Sérgio Cortella, há uma diferença nem sempre muito nítida entre “educar” e “escolarizar”, sendo a primeira uma responsabilidade dos pais e da família e a segunda a função do professor e da escola.

Apesar de todas as dificuldades e percalços, a carreira de professor é bastante importante e oferece uma grande oportunidade para que as pessoas não só acumulem saberes, mas também oportunizem a outras pessoas o desenvolvimento das diferentes formas de conhecimento. Vale lembrar que a função do professor não é transmitir informações, mas fazer com que o aluno consiga assimilar melhor as características e processos inerentes ao mundo em que vive.

fonte: https://brasilescola.uol.com.br/datas-comemorativas/dia-do-professor.htm