ESCOLA ESTADUAL ROSAURA MOURÃO APRESENTA PROJETO "CONSTRUINDO AS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS, EM ALUSÃO AO MÊS DA CONSCIÊNCIA NEGRA


A Escola estadual Rosaura Morão da Rocha realizou recentemente, a culminância do Projeto "Construindo as relações étnico raciais", com objetivo de v
alorizar a educação das relações étnico-raciais, reconhecendo a presença afrodescendente e indígena nos diversos segmentos da sociedade, no que diz respeito à literatura, arte, culinária, religião, música e dança. Em virtude do momento de pandemia foi realizada somente uma exposição do material produzido em sala de aula.


Sobre o Projeto.


CONSTRUINDO AS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS

Justificativa

No ano de 2003, a lei nº. 10.639/03, tornou obrigatório o ensino da História e da Cultura Afro-Brasileira em todas as escolas de ensino fundamental e médio do país. Talexigência se aplica a instituições públicas e privadas. A partir da sanção dessa lei, as escolas brasileiras passaram a ter que implementar em todo seu currículo escolar, de forma transversal, com ênfase nas áreas de História Brasileira, Educação Artística e Literatura,o ensino da cultura africana, da luta do povo negro no país e de toda a história afro-brasileira nas áreas social, econômica e política.

No ano de 2004, o parecer do CNE/CP 03/2004 aprovou as Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação das RelaçõesÉtnico-raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-brasileiras e Africanas e a Resolução CNE/CP 01/2004 detalhou os direitos e as obrigações dos entes federados ante a implementação da lei.

No ano de 2008, a lei 11.645/2008 alterou a lei 9.394/1996, modificada pela lei 10.639/2003, a qual estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e cultura afro-brasileira e indígena”.

No ano de 2009, foi aprovado o Plano Nacional das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-brasileiras e Africana.

Juntos, tais dispositivos formaram um conjunto de instrumentos legais geradores de uma política educacional voltada para a afirmação da diversidade cultural e da concretização de uma educação das relações étnico-raciais nas escolas, nascidas a partir dos anos 2000 e afirmadas através da Base Nacional Comum Curricular, que teve sua primeira versão disponibilizada em 16 de setembro de 2015, e regulamentou as aprendizagens essenciais a serem trabalhadas nas escolas brasileiras públicas e particulares de Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio, para garantir o direito à aprendizagem e o desenvolvimento pleno de todos os estudantes.

O presente projeto nasceu com o intuito de orientar acerca do percurso de normatização decorrente da aprovação da Lei nº 10.639/03, alterada pela lei 11.645/2008, garantir o cumprimento dos dispositivos citados acima,subsidiados pelas reflexões proporcionadas pelo Curso de Relações Étnico-Raciais promovido pela Secretaria Estadual de Educação do Estado do Acre em parceria com a Universidade Federal do Acre. Assim como, favorecer a ampliação dos conhecimentos, formação de hábitos e atitudes fundamentais de valores éticos, no contexto das relações étnico-raciais, por meio do desenvolvimento da expressão corporal, oral e cultural dos alunos, em momentos de interpretações artísticas, tais como coreografias, músicas, poesias e a diversa valorização estética negra e indígena.

Este projeto visa a consciência da valorização do ser humano, ultrapassando as fronteiras da violência, do preconceito e do racismo. Com isto, cabe a cada área do conhecimento uma participação efetiva para a construção de uma aprendizagem completa e para a formação do aluno de forma integral, como propõe a BNCC.

Sabe-se ainda, que é um dever democrático da educação escolar e das instituições públicas e privadas de ensino a execução de ações, projetos, práticas pedagógicas, novos desenhos curriculares e novas posturas pedagógicas que atendam ao preceito legal da educação como um direito social, no qual deve estar incluído o direito à diferença. O cumprimento da legislação significa uma mudança não só nas práticas e nas políticas, mas também em todo o desenvolvimento do trabalho pedagógico.

Objetivo Geral

Valorizar a educação das relações étnico-raciais, reconhecendo a presença afrodescendente e indígena nos diversos segmentos da sociedade, no que diz respeito à literatura, arte, culinária, religião, música e dança.

Objetivos Específicos

· Discutir as relações raciais no ambiente escolar.
· Reconhecer e valorizar a cultura afrodescendente e indígena como formadora da identidade do povo brasileiro.
· Admitir a presença da marca africana na música, literatura, culinária, arquitetura, língua, formas de viver, pensar e nas manifestações religiosas.
· Promover o respeito pelas variadas etnias.

Desenvolvimento das atividades em consonância com as especificidades de cada área

Este Projeto apresenta atividades diversificadas, para cada turma. O desenvolvimento estará em consonância com as habilidades previstas para cada área, estabelecido o problema e a proposta de conteúdo específica. O temaserá desenvolvido no decorrer de todo ano letivo,no contexto escolar, por meio de atividades para a sua exploração, sistematização e conclusão dos trabalhos. Os alunos devem fazer observações diretas no entorno familiar, observações indiretas na mídia, de modo geral, experimentações e leituras.

6ºano:

Língua Portuguesa:

· Gênero textual: Memórias literárias - Os alunos podem pesquisar junto a seus familiares histórias interessantes de seus antepassados relatando costumes, histórias marcantes ou situações de preconceito vivenciadas por eles. Os textos produzidos pelos alunos podem gerar um livro que será exposto na biblioteca da escola, ou um blog com todos os textos. Nesta atividade, além de se trabalhar habilidades de escrita, é possível suscitar nos alunos sentimento de reconhecimento da construção de sua história e valores.

Arte:

· Estudo de danças africanas e indígenas;
· Apresentação de uma dança pelos alunos


Educação Física

· Intercâmbio cultural - Os alunos poderão realizar um comparativo entre as vivências de um adolescente indígena e os próprios alunos. Por meio de questionamentos como:

Como se divertem?
Que tipo de música ouvem?
O que mais gostam de fazer nas horas de lazer?
Como é o momento de estudo deles?

Neste intercâmbio cultural, é possível desenvolver nos alunos o respeito pela diversidade de cultura e valores. A pesquisa pode resultar na montagem de álbum de fotografias, vídeo ou cartazes, que serão apresentados na culminância do projeto.

Língua estrangeira:

· Exposição de Receitas Culinárias - Além da produção textual de receitas de comidas que estão na nossa mesa dia a dia, e que têm origem indígena ou africana, os alunos podem promover a degustação da comunidade escolar destes pratos. Por meio desta atividade é possível, além de habilidades de escrita, pode-se desenvolver a valorização e respeito por culturas diferentes.

Matemática

Entrevistas com pajés ou líderes indígenas: os alunos poderão ter acesso a tais líderes ou até mesmo, se possível, realizar visitas a aldeias indígenas, afim de conhecer e valorizar as manifestações culturais deste povo, compreender o trabalho e o cotidiano dos índios, observando que seus afazeres giram em torno da natureza e dos desenhos dela, percebendo que os animais são sua maior fonte de inspiração.
Observação da geometria presente nos desenhos africanos e indígenas: os alunos poderão observar a existência de ângulos e polígonos nos desenhos, assim como trabalhar com suas medidas. Tais desenhos podem ser pesquisados pelos alunos ou trazidos como exemplos pelo professor.

Humanas (Geografia, História)

Estudo dirigidocom base em dados estatísticos (gráficos e tabelas), sobre os Povos e Terras Indígenas do Acre: o professor levará esses dadospara os alunos realizarem leitura e destaquem informações como: quantos e quais são os povos indígenas, municípios onde mais se concentram, situação fundiária, etc.
Produção de frases de combate ao racismo para expor pelo pátio da escola.

Ensino Religioso

Pesquisa de religião: os alunos devem pesquisar a origem das religiões de matriz africana, principalmente umbanda e candomblé. Será interessante conhecer a presença desses grupos no Acre, assim como nos demais estados do país.

Ciências

Em papel sulfite, eles poderão desenhar do modo como imaginam que seja a África e/ou terras indígenas e, após conversar sobre eles, comparando-os com imagens de alguns países africanos, pesquisar seus costumes, localização, belezas naturais, alimentação etc.

7º ano

Língua Portuguesa

· Estudo de caso - Ao pesquisar histórias de personalidades negras e indígenas que tenham seus nomes ligados a luta pela liberdade, igualdade de direitos e contra preconceitos, como Maria Carolina de Jesus, Martin Luther King, Rosa Parks, Mandela, Cacique Raoni, Sônia Guajajara, dentre outros, o professor pode questionar aos alunos sobre o que fariam no lugar destas pessoas. As respostas dos alunos podem gerar debates em sala de aula. Além de conhecer a história destas personalidades, por meio desta atividade os alunos podem exercitar a empatia no âmbito de temas como preconceito.

Arte

· Teatro - Os alunos podem criar um texto teatral e encená-lo para a comunidade escolar. Baseados na história de Romeu e Julieta, os alunos criam a história de um casal que sofre com a rivalidade das famílias por conta do preconceito (podem ser personagens negros ou indígenas). Em acordo com a competência de número 9, da lista de competências gerais da BNCC, nesta atividade é possível situar os alunos como personagens de um conflito exercitando neles a capacidade de empatia e resolução de problemas.

Educação Física

· Símbolos adinkras - Com tinta guache e telas, os alunos podem reproduzir estes símbolos e expor a comunidade escolar, mostrando aos visitantes que cada símbolo adinkra tem um significado. Desta forma, seria possível mostrar aos alunos e comunidade escolar que desenhos africanos têm significados belíssimos.

Língua Estrangeira

· Identificação e tradução de palavras referentes aos seguintes temas: Pobreza, Discriminação e Injustiça;

Matemática
Observação da geometria presente nos desenhos africanos e indígenas: os alunos poderão observar a existência de ângulos e polígonos nos desenhos, assim como trabalhar com suas medidas. Tais desenhos podem ser pesquisados pelos alunos ou trazidos como exemplos pelo professor.

Humanas(geografia e história)

Referências negras do Acre: o professor poderá orientar os alunos a realizarem um pesquisa sobre quem são as pessoas ou famílias negras que são referências históricas no estado do Acre, quais as contribuições que deram para a sociedade e que entraram para a história do nosso lugar. Nos corredores e nas salas serão expostos cartazes sobre eventos ocorridos no estado envolvendo personagens negros.
Entrevista: Se possível entrevistar indígenas de diferentes povos para que eles mesmos falem a respeito de suas culturas, falar dos próprios conhecimentos. O professor irá criar junto com a turma uma ficha orientadora com perguntas para que colham informações de como cada povo se organiza, o que produzem, o que usam, por que e para que usam determinadas ervas medicinais, vestimentas, instrumentos de trabalho; qual a maneira de fabricar canoas, construir casas, artesanato e assim por diante. Também é possível pesquisar em diversas fontes a respeito desses povos, para que possam elaborar produções textuais e cartazes com essas informações.

Religião

Entrevistas: serão necessárias entrevistas com lideranças dessas religiões, visto que eles não possuem tradições escritas como as demais religiões. Costumam valorizar a tradição oral, como na religião indígena. Os detalhes de suas doutrinas e costumes assim conhecidos, contribuirão para a quebra das estranhezas, a compreensão de que religiões muito diferentes entre si não devem contribuir para o afastamento das pessoas.

Ciências

O impacto das ciências naturais na vida social eno racismo (recomendam-se análises críticas sobre a importância histórica de teorias como a da evolução darwinista e a da hereditariedade mendeliana, na formação de ideias sobre raças, miscigenação, etnia, gênero e sexo, normalidade e defeito, aptidão e inaptidão social. E também sobre a distribuição desigual do acesso aos recursos naturais e a exposição excessiva à poluição ambiental das populações afrodescendentes e indígenas etc.): podem ser criadas atividades de discussões e/ou rodas de conversa que explorem as conexões entre os conhecimentos científicos e as orientações das relações étnico-raciais desiguais com relação a pesquisas, teorias e movimentos científicos que tenham construído conceitos, como o biológico, de quese existem ou não raças humanas. Citamos o cientista brasileiro Sergio Pena, que defende a não existência de raças humanas, e o defensor de que existem, como Richard Dawkins, cientista evolucionista. Aqui também se pode confeccionar, em equipe, algumas bandeiras de países africanos e depois fazer uma exposição das mesmas, juntamente com os seus significados.

8º ano

Língua Portuguesa

· Leitura e produção de textos sobre racismo/preconceito - Com o objetivo de valorizar e fruir diversas manifestações artísticas e culturais, como está posto na competência geral da BNCC de número três, os alunos podem apreciar letras de música, poemas, contos, crônicas com a temática do projeto. Em seguida, pode ser realizado um sarau na escola com os textos pesquisados ou produzidos pelos alunos.

Arte

· Rap - A pesquisa sobre este gênero musical revelará aos alunos a importância deste como símbolo de resistência dos negros americanos. Os alunos que têm habilidades musicais podem criar raps e se apresentar para a comunidade escolar no dia da culminância do projeto.

· Bonecas Abayomi - Ao pesquisar a origem e o significado das bonecas Abayomi é possível sensibilizar os alunos sobre a questão negra. A atividade pode gerar exposições de bonecas feitas pelos alunos, ou oficinas nas quais os mediadores serão os próprios alunos.

Educação Física

· Propaganda contra o preconceito - Ao se trabalhar na escola temas como este proposto neste projeto, o que mais se espera é uma nova mentalidade de nossos alunos em relação ao preconceito étnico racial. Esse exercício de empatia pode se concretizar por meio da produção de uma propaganda, visto que, hoje todos os nossos alunos têm celulares capazes de produzir vídeos. As produções dos alunos podem ser exibidas posteriormente para toda a escola.

Língua Estrangeira

· Confeccionar Dicionário ilustrado com palavras de origem africana e as utilizadas no nosso cotidiano como: alimentos, vestimentas e acessórios, material escolar, estações do ano etc.

Matemática

Pesquisa sobre os conhecimentos matemáticos ou tecnológicos que povos africanos produziram ou ainda produzem: deu-se na África a primeira revolução tecnológica da humanidade, a passagem de caçador e coletor de frutos e raízes para a agricultura e pecuária. A África foi o lugar das primeiras descobertas, invenções e instituições humanas. Os alunos poderão realizar pesquisa sobre os filósofos matemáticos africanos e suas descobertas consideradas de grande valia para a sociedade.
Culminância: exposição de desenhos construídos pelos alunos observando a cultura africana e indígena, pinturas corporais, apresentação da geometria presente nos penteados e tecidos africanos, assim como uma amostra artística e literária sobre as descobertas dos grandes filósofos matemáticos africanos.

Humanas (geografia e história)

Linha do tempo apresentando uma visão panorâmica do continente africano: a partir dos conhecimentos adquiridos ao longo das aulas, os alunos serão orientados a construírem uma linha do tempo sobre o continente africano. A sala seria deve ser dividida em grupos, e cada grupo orientado a construir uma parte da linha. Como sugestões para as divisões temporais, indicamos: a pré-história do Continente; a formação dos grandes reinos; o hibridismo cultural (expansão do Islamismo); o processo de escravização; as consequências do imperialismo e o Continente desconhecido.
A influência indígena e africana na culinária brasileira e acreana: os alunos realizarão pesquisas em diversas fontes, a respeito da influência africana e indígena na culinária brasileira, dando ênfase à culinária acreana, após a pesquisa confeccionar cartazes com algumas das receitas pesquisadas, o professor pode ainda organizar junto com o grupo de alunos, degustação dessas receitas, no dia da culminância do projeto.

Apresentar as Leis 10.639/2003 e 11.645/2008;

Religião

Intolerância religiosa: há sérios problemas relacionados ao modo de encarar as práticas religiosas dos negros brasileiros. Por exemplo, no Maranhão são chamadas Tambor de Mina. Daí a necessidade de se conhecer os desdobramentos dessas religiões em outros estados. Uma das razões da intolerância religiosa é o desconhecimento detalhado dessas religiões, assim como a não convivência próxima com os praticantes das mesmas.
Material a ser utilizado: podem ser pesquisados, na internet, vídeos, fotografias e notícias de posturas intolerantes com respeito a essas religiões, no sentido da conscientização para uma convivência fraterna. Uma das competências da BNCC refere-se à empatia como essencial na formação do caráter humano. Este é um caso em que as religiões de matrizes africana precisam ser entendidas a partir do ponto de vista de seus praticantes.

Ciências

Superação de estereótipos, valorização da diversidade e ciências naturais (promover a superação de estereótipos de inferioridade e valorizar a diversidade étnico-racial presente na sociedade e a multiplicidade de formas físicas): poderão desenvolver atividades de seminários, estudos dirigidos e/ou apresentação teatral,para que o público envolvido analise, criticamente, a história do conceito biológico de raças humanas, evolução humana, como a origem africana da humanidade. Debater sobre as falsas ideias de superioridade/inferioridade biológica e intelectual de certos grupos étnico-raciais. Por meio de tais abordagens, propõe-se combater estereótipos, promovendo a distinção entre fatores biológicos e culturais, presentes em toda a história evolutiva, valorizando a diversidade de formas físicas, tipos de cabelos, cor de pele, entre outros.
Ciência, mídia e relações étnico-raciais (sugere-se a análise da utilização dos conhecimentos científicos, pela mídia da discussão sobre políticas públicas, como as cotas): propõe-se a realização de atividades, como debates dirigidos, que abordem textos midiáticos, geralmente repletos de determinismos acerca das relações entre homens e mulheres; a utilização da mídia e os impactos desta no ideário social, como meio de veiculação do que é certo e errado, com relação a diferentes culturas; montagem de sala de cinema em que sejam apresentados filmes, como: Estrelas Além do Tempo, Histórias Cruzadas, À Procura da Felicidade,entre outros.

9º ano

Língua Portuguesa

· Racismo em propagandas - Por meio da análise de propagandas como a dos chocolates em forma de cigarro, ou como a polêmica campanha do sabonete Dove, em 2017, o professor com sua turma pode discutir sobre o preconceito velado que nos rodeia diariamente nas mídias. É possível fazer com que os alunos fiquem mais atentos e críticos a atitudes preconceituosas, que muitas vezes nem percebemos sua existência. O resultado deste trabalho pode ser exposto em cartazes para a comunidade escolar.

Arte

Trabalhar letras das músicas referentes ao tema e...
Show de talentos: os alunos podem apresentar músicas, danças, teatros, jogos, brincadeiras, exposição de telas, exposição de fotografias, fantochesetc (todos de origem indígena ou africana). Logo após cada apresentação receberão uma nota por parte dos jurados preestabelecidos.

EducaçãoFísica

· Pesquisar sobre a capoeira fazendo estudos dessas pesquisas e a importância que elas representam;
· Produção de um painel sobre capoeira;
· Convidar um grupo de capoeira local para apresentação cultural.

Língua estrangeira

· Pesquisar palavras de origem africana;
· Produzir um glossário de palavras africanas para expor em inglês, português e espanhol.

Matemática

· Fractais: identificação da presença de fractais na organização de aldeias africanas e em penteados afro-brasileiros;
Triângulos: o estudo do triângulo e seus elementos a partir dos tecidos de Gana.
Estatística: o estudo da Estatística a partir de informações pesquisadas sobre a cultura indígena.
Simetria: os alunos poderão realizar pinturas no corpo e no rosto, imitando a cultura indígena e africana, trabalhando a simetria.

Humanas( geografia e história)

· Linha do tempo ou infográfico - O professor pode delimitar o período de 1900 aos dias atuais para coletar informações de como o negro ou indígena (com linhas do tempo diferentes) são vistos, as suas lutas e conquistas ao longo do tempo. Por meio desta pesquisa, é possível fazer com que os alunos visitem o passado, para poder entender a importância da discussão sobre preconceito racial nos dias atuais. Este trabalho pode ser exposto em cartazes na escola
Museu: construção de um museu, apresentando obras de arte que retratem a vida da população negra e indígena. Exposição de fotografias sobre a diversidade da população acreana.
Diversidade indígena: é necessário conhecer os grupos de línguas aos quais pertence a variedade de indígenas do Brasil. Muitos grupos já têm professores que lecionam nas próprias línguas das tribos. Outra linha de pesquisa é a presença do indígena na zona urbana das cidades ou em áreas de reserva e os conflitos ou discriminações sofridas por esse povo. Há farto material em vídeos na internet abordando aspectos de sua cultura, necessários à compreensão de seu modo de ser e à correspondente atitude positiva em relação a eles.

Ensino Religioso

Cultura indígena: conhecer a diversidade de grupos indígenas presentes no Acre, assim como no restante do país. O site https://pib.socioambiental.org/pt/P%C3%A1gina_principaldo Instituto Socioambiental indica, por Estado da Federação, a diversidade de famílias e etnias indígenas presentes em cada região do país. Trata-se de um excelente ponto de partida para a pesquisa dos alunos.
Religião indígena: não se pode falar de uma única religião para todos os índios. Há pontos em comum, evidentemente, porém há diferenças bem acentuadas. Por isso, é necessário respeitar essas diferenças e conhecer detalhadamente os costumes e religiões de cada grupo. Com relação aos indígenas do Acre, não é difícil marcar visitas à escola, assim como entrevistas com lideranças, sejam chefes ou pajés.

Ciências

África,seus descendentes e o desenvolvimento científico mundial (são sugeridas abordagens que apresentem e discutam a longa história da produção de conhecimentos, no continente africano, que contribuíram para o desenvolvimento cientifico e tecnológico da humanidade, além da importância deles para as ciências da natureza. Abordagens que se atenham à representação da população africana e afrodescendente, quase nunca positiva e, menos ainda, no campo das ciências, em que os cientistas negros raramente são reconhecidos e valorizados): aqui se recomenda exposição de instrumentos, como vídeos ou filmes curtos, e apresentações verbais sobre as cirurgias, imunização e obstetrícia dos povos Banyoro; de cientistas africanos e afrodescendentes, como Cheikh Anta Diop, na arqueologia; Lewis Howard Latimer, na física e na química; Benjamin Banneker, na matemática e na astronomia, e Rebecca Cole, na medicina e no cuidado infantil. Além dos já mencionados, há muitos outros, no sentido de dimensionar as contribuições dos africanos e seus descendentes para o desenvolvimento cientifico.

Conhecimentos tradicionais de matriz africana e afro-brasileira e ciências (abordagens que examinem, criticamente, as interações entre o conhecimento científico ocidental e os conhecimentos tradicionais de raiz africanas e afro-brasileiras): podem ser apresentadas fábulas, mitos, lendas e provérbios que abordem elementos já mencionados e outros que sejam estudados pelas ciências naturais, sob a ótica cultural dessas populações: seja da vida; dos fenômenos naturais; dos animais; das plantas; da saúde; da produção de alimentos estimulando, assim, o público alvo a conhecer mais as culturas africanas e afro-brasileiras.Com dobradura, construir exemplos de casas africanas e indígenas, e também pintura, explorando assim as cores e as formas geométricas utilizadas por eles.

Metodologia

Pesquisar na Internet, revistas, jornais,
Pesquisas bibliográficas.
Utilização de vídeos e filmes.
Elaboração de Gráficos e tabelas.
Fotografias.
Apresentação do Power Point.
Elaboração e divulgação de vídeos nas diferentes redes sociais dos alunos e da escola
Apresentação com o data show pelos alunos.

Avaliação

A avaliação acontecerá em qualquer momento do processo educativo de forma contínua e diagnóstica, através de:
Relatórios.
Pesquisas.
Textos.
Poesias.
Criatividade.
Participação.
Assiduidade.
Exposição do tema.
Debates.
Cantos.
Danças.
Postagem nas redes sociais.
Danças Africanas.

Abaixo, registro fotográfico do evento:






















Do Núcleo de Tarauacá
Com informações da Escola Rosaura Mourão/Equipe Gestora

Comentários